Entrevista

Capitalização da Previdência e seus efeitos nefastos no Chile

A presidenta do Sindicato, Ivone Silva, conversa com o economista chileno Andras Uthof sobre as consequências do modelo de previdência adotado pelo Chile nos anos 80, semelhante ao que Bolsonaro quer para o Brasil. Assista à entrevista completa, dividida em três partes

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 29/01/2019 17:35 / Atualizado em 13/02/2019 17:21

Foto: Reprodução/Facebook

No dia 8 de janeiro, o ministro da economia, o banqueiro Paulo Guedes, anunciou que a proposta da reforma da Previdência do governo de Jair Bolsonaro deve contemplar a mudança para um sistema de capitalização. Este modelo foi adotado no Chile em 1981, no governo do ditador Augusto Pinochet. Hoje, os idosos chilenos enfrentam as consequências dessa mudança - 80% dos aposentados recebem menos de um salário mínimo (US$ 424) de benefício e quase metade (44%) está abaixo da linha da pobreza – e grandes manifestações reivindicam que o sistema seja abolido. 

Entenda a Previdência Social e veja o que está em risco
Trabalhar até morrer? Você decide!
> Leia Folha Bancária especial sobre a Previdência Social
> Centrais se preparam para combater 'nova' reforma da Previdência

Para entender como funciona o modelo de previdência capitalizada no Chile, suas nefastas consequências e os riscos da adoção do sistema no Brasil, a presidenta do Sindicato, Ivone Silva, entrevistou o economista chileno Andras Uthof. 

Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

Confira abaixo a entrevista completa, dividida em três partes, publicada pela TV 247:



Voltar para o topo