Caixa

População abraça protesto contra desmonte da Caixa

Dirigentes sindicais recolhem centenas de assinaturas reivindicando a contratação de mais empregados em agência na zona leste de São Paulo onde o caos está instalado devido à falta de bancários aliada aos saques das contas inativas do FGTS  

  • Rodolfo Wrolli, Spbancarios
  • Publicado em 13/03/2017 18:03 / Atualizado em 21/03/2017 15:57

Mulher participa de abaixo-assinado exigindo a contratação de mais empregados na Caixa

Mauricio Morais

São Paulo – Mais de 200 assinaturas foram recolhidas da população em menos de meia hora na agência da Caixa situada no bairro de Guaianases, na segunda-feira 13. O abaixo-assinado exigindo a contratação de mais empregados foi realizado durante protesto do movimento sindical na unidade bancária, e integra a campanha Mais Empregados para a Caixa, Mais Caixa para o Brasil.
 
Representantes do Sindicato vão marcar uma reunião na superintendência para reivindicar mais bancários de modo emergencial naquela agência. Reunião semelhante na superintendência de Santana conseguiu o deslocamento de bancários para agência na Vila Nova Cachoerinha que também operava acima do limite.

 O atendimento na agência de Guaianases, que já era problemático por conta do número insuficiente de bancários para a alta demanda de clientes, ficou ainda pior devido aos saques das contas inativas do FGTS, que começaram na sexta-feira 10 e se estenderam pelo sábado 11, quando 10 bancários atenderam quase 700 pessoas.
 
“É uma agência tradicionalmente cheia, só que multiplicou por 15 o tamanho da fila. Nós estamos entrando mais cedo e saindo mais tarde todos os dias, praticamente todos estão fazendo hora extra. Está muito cansativo”, relata um empregado.
 
Na unidade, trabalham 17 bancários ao todo, mas três estão em férias ou em licença médica. No atendimento à população são apenas três. Para o empregado, o momento de liberar as contas inativas do FGTS foi inoportuno e está atrapalhando os negócios do banco. “A Caixa faz um plano de demissão voluntária e o governo quer liberar os saques a toque de caixa. Parece que os órgãos de governo não estão se conversando, não conhecem a Caixa. É um tremendo tiro do pé.”
 
Os bancários podem denunciar ao Sindicato problemas relacionados à sobrecarga de trabalho por meio do canal Assuma o Controle. O sigilo é absoluto.
 
Concurso – Em fevereiro, a Justiça rejeitou recurso do banco e manteve a sentença do dia 6 de outubro de 2016 que prorrogou a validade do concurso público de 2014 até o trânsito em julgado da Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público do Trabalho. A decisão determina ainda que o banco apresente, em até seis meses, um estudo de dimensionamento do quadro de pessoal e, em seguida, providencie a convocação dos aprovados.
 
“O banco desrespeita decisão judicial que o obriga a contratar mais empregados e ainda por cima promoveu um plano de demissão voluntária pouco antes de começar a administrar milhões de saques de contas inativas do FGTS. O resultado é o caos instalado em agências por todo o país com relatos de agressões a bancários por conta da sobrecarga de trabalho”, critica o dirigente sindical Chico Pugliesi.
 
A Caixa chegou a ter 101 mil empregados em 2014. Atualmente são 95 mil e destes, quase 5 mil aderiram ao plano de demissão voluntária.  Há mais de dois anos que o banco não contrata novos empregados.
 
“É um processo de enfraquecimento do banco público promovido por um governo ilegítimo com prejuízos a toda a sociedade, que precisa da Caixa para o fomento de políticas públicas fundamentais para o desenvolvimento do país. Por isso convocamos a população e os bancários a participarem dessa luta, participando do abaixo-assinado e recolhendo assinaturas em defesa da instituição.”
 
Acesse o link para fazer o download do abaixo assinado.



Voltar para o topo