Caixa Federal

Lucro recorde: Caixa fatura R$ 12,5 bilhões em 2017

Resultado reforça importância da instituição enquanto banco público e da sua função social, fundamental para o desenvolvimento do país; PLR e PLR Social, conquistas dos empregados ao lado do movimento sindical, serão creditada nessa terça-feira 27

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 27/03/2018 18:58 / Atualizado em 28/03/2018 14:33

São Paulo – O lucro líquido da Caixa em 2017 foi de R$ 12,5 bilhões, o maior da história do banco público. O resultado, divulgado na terça-feira 27, representa crescimento de 202,6% em relação a 2016. O lucro recorrente (R$ 8,6 bilhões) também foi o maior já alcançado, com alta de 72,3%. Com a divulgação do balanço, o banco anunciou que a segunda parcela da PLR e a PLR Social, conquistas dos empregados ao lado do movimento sindical, serão creditadas nessa terça-feira 27. 

> Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta dos bancários
> Defesa da Caixa 100% pública e Funcef forte, em destaque no MB

Para a presidenta do Sindicato, Ivone Silva, o resultado da Caixa no ano passado reforça a importância de que a instituição se mantenha 100% pública. “Os bancos públicos são responsáveis por 56% do crédito no país. É importante sempre enfatizar que o papel social da Caixa é preponderante. A Caixa é o banco do Minha Casa Minha Vida, do Bolsa Família, do FIES, do saneamento, da cultura, esporte, dos municípios. É o banco do desenvolvimento do país. Entretanto, é justamente essa atuação tão importante que vem sendo atacada pelo atual governo.”

> Cartilha em defesa dos bancos públicos

“Tentam colar um discurso de ineficiência na Caixa para conquistar apoio da população às intenções privatistas do governo Temer. Entretanto, os números mostram que ela é uma instituição extremamente rentável, mas que está sem crédito para ofertar nas agências e precisa ser capitalizada com urgência pelo governo federal”, acrescenta Ivone.

Crédito em queda

Os números do balanço 2017 da Caixa confirmam a redução na oferta de crédito. A carteira de crédito do banco atingiu, aproximadamente, R$ 706,3 bilhões, com queda de 0,4% em doze meses. A Carteira Comercial Pessoa Física (PF) teve queda de 8,6% em relação a 2016, atingindo, aproximadamente, R$ 93,7 bilhões. Já a  Carteira Comercial Pessoa Jurídica (PJ) apresentou redução ainda maior (-23,1%), somando R$ 68,1 bilhões.

> "Sufocamento da Caixa não interessa à sociedade"

A carteira para habitação cresceu 6,3%, num total de R$ 431,7 bilhões. E a carteira de infraestrutura cresceu 5,2%, totalizando R$ 82,7 bilhões.

Receitas com tarifas cresce e número de empregados cai

As receitas de prestação de serviços e com tarifas bancárias cobradas dos clientes cresceram 11,5%, totalizando R$ 25 bilhões. Somente com essa receita, a Caixa cobre em 104,9% toda as suas despesas com pessoal. 

O banco encerrou o ano passado com 87.654 empregados e fechamento de 7.324 postos de trabalho em relação a dezembro de 2016. O saldo se deve à adesão de 7.023 empregados ao Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE). Além disso, foram fechadas 18 agências, 55 lotéricos e 1.737 correspondentes Caixa Aqui.

“A Caixa enfrenta um processo de desmonte imposto pelo governo Temer, que reduz o quadro de funcionários, fecha agências e ataca o papel social do banco, prejudicando bancários e população”,diz o diretor do Sindicato e coordenador da CEE/Caixa, Dionísio Reis. “É preciso que todos os empregados estejam mobilizados e entendam que a luta em defesa dos nossos direitos, ameaçados todos os dias pelo atual governo, é parte da luta em defesa da Caixa 100% Pública. Lutar contra medidas que tem por objetivo final entregar um patrimônio da população brasileira para os bancos privados é também lutar contra o descomissionamento arbitrário, contra a revogação do RH-151, por mais empregados, na defesa do modelo de custeio do Saúde Caixa, entre outros direitos que conquistamos ao longo da história”, afirma o dirigente. 

Saúde Caixa 

De acordo com o balanço, o lucro recorrente foi impactado, principalmente, pela aprovação do limite de 6,5% da folha de pagamento da Caixa como teto para gastos com o Saúde Caixa. O teto gerou a reversão da provisão atuarial constituída, com efeito não recorrente de R$ 4 bilhões no lucro líquido.

> Em defesa do Saúde Caixa, empregados cobram respeito ao ACT

“Esse ataque ao direito à saúde dos empregados da Caixa, que piora muito com as resoluções da CGPAR, mostra que o banco se aproxima cada vez mais de uma lógica exclusivamente de mercado, em detrimento da sua função social e dos direitos de seus empregados”, avalia Dionísio. “O modelo de custeio do Saúde Caixa, uma conquista de luta, existe desde 2004. É inadmissível a imposição de uma mudança pela Caixa. Não aceitaremos mais esse ataque. Os empregados devem estar preparados para um ano de muita luta por nenhum direito a menos e em defesa da Caixa 100% pública”, conclui o dirigente. 



Voltar para o topo