Caixa Federal

Sindicato questiona Occhi sobre retaliação à greve

Em Feirão da Casa Própria, movimento sindical questionou presidente da Caixa sobre desconto na remuneração dos empregados que aderiram à greve geral. Por sua vez, Occhi afirmou que vai ordenar a reversão da medida

  • Felipe Rousselet, Spbancarios
  • Publicado em 26/05/2017 19:29 / Atualizado em 29/05/2017 12:25

Foto: Seeb-SP

São Paulo – O Sindicato, junto a outras entidades representativas dos empregados da Caixa, realizou um ato de protesto no Feirão da Casa Própria, que teve início na sexta-feira 26. Em reunião com os empregados no stand da Caixa, que reduziu bastante nesta edição, os dirigentes sindicais questionaram o presidente do banco, Gilberto Occhi, sobre o desconto na remuneração dos bancários que aderiram à greve geral do dia 28 de abril. Após a cobrança dos trabalhadores, Occhi alegou que o desconto não foi autorizado por ele e que vai ordenar a sua reversão.

“Explicamos para o Occhi que o tema já está em mesa de negociação e que a Caixa manifestou disposição para negociar os dias 15 de março e 28 de abril. Deixamos claro que, para negociar, de início é necessário reverter os reflexos na carreira desta classificação de falta injustificada e reverter o desconto de três dias na remuneração dos empregados. Greve é um direito constitucional e os trabalhadores não podem ser punidos. Vamos cobrar que Occhi honre sua palavra”, enfatiza o diretor do Sindicato e coordenador da CEE/Caixa (Comisssão Executiva dos Empregados da Caixa), Dionísio Reis.

Trabalho aos finais de semana – Outra questão abordada pelos dirigentes junto aos empregados que trabalhavam no Feirão foi o trabalho aos finais de semana para atender a demanda de saques de contas inativas do FGTS. 

“Reforçamos que a Caixa descumpre a lei ao pagar as horas-extras com 50% de adicional. Como se trata de trabalho durante o descanso remunerado, a hora extra deve ser paga com 100% de adicional, conforma determina a cláusula 9 do Acordo Aditivo a CCT”, explica Dionísio.

Sindicato cobra Caixa sobre trabalho aos sábados
> Assembleia elege delegados para Congresso Estadual da Caixa

Alckmin ensaboado – Durante o Feirão, os dirigentes entregaram para bancários e população a cartilha Em Defesa dos Bancos Públicos, elaborada pelo Sindicato. Ao acompanhar Occhi no Feirão, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, também foi agraciado com um exemplar. 

Neste momento, os dirigentes questionaram o governador se ele acha importante o papel dos bancos públicos, obtendo uma resposta afirmativa. Foi então que os representantes dos bancários questionaram as razões que levaram o estado de São Paulo a não ter mais nenhum banco público. Alckmin se esquivou da pergunta e respondeu apenas que “a Caixa é muito importante” (vídeo abaixo).

Contra reformas e em defesa dos bancos públicos – Os dirigentes sindicais também aproveitam a ocasião para protestar contra as reformas da Previdência, trabalhista e em defesa dos bancos públicos.

> Você precisa saber a falta que o banco público faz 

“Não podemos permitir que Temer liquide os bancos públicos, como a Caixa, patrimônio do país,  para depois privatizá-los. Todos os empregados devem estar mobilizados, junto ao Sindicato, em defesa da Caixa 100% pública e dos seus direitos. E passa necessariamente pela destituição do presidente Temer e a realização de eleições gerais para a Presidência, Câmara e Senado”, conclui Dionísio.

Leia mais
> Bancos públicos democratizam acesso ao crédito
> Banco público é da sociedade e não de um governo
> A defesa dos bancos públicos é a defesa de toda a sociedade
> Bancos públicos são essenciais para soberania do país



Voltar para o topo