Desmonte trabalhista

Proteção menor ao emprego não cria vagas

Uma das desculpas de Temer, banqueiros e grandes empresários na defesa do desmonte criado pela reforma trabalhista no Brasil cai por terra diante de estudo da OIT que mostra aumento do desemprego quanto mais se afrouxa proteção via legislação

  • Cláudia Motta, Spbancarios
  • Publicado em 04/07/2017 13:03 / Atualizado em 04/07/2017 14:54

Bancos brasileiros demitem mesmo com lucros exorbitantes

Foto: Mauricio Morais (arquivo)

São Paulo - O desmonte trabalhista criado pela reforma defendida pelo governo Temer e seus aliados – banqueiros e grandes empresários – vai piorar a já grave crise que o Brasil atravessa. A desculpa deles para retirar direitos é totalmente esfarrapada: estimular investimentos e criar empregos. 

> Em nota, Bradesco defende reformas
> Dono do Itaú defende reforma trabalhista

“O que gera emprego é crescimento econômico, não flexibilizar leis trabalhistas”, afirma a secretária-geral do Sindicato, Ivone Silva. 

Metade dos empresários não acreditam em mais empregos

A dirigente menciona estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre reformas legislativas laborais em 111 países. “O levantamento, feito entre 2008 e 2014, mostra que o menor nível de proteção aos empregos acabou por facilitar o processo de demissões.”

Para 64%, reforma trabalhista beneficia os patrões

E diz a OIT: “Em ambos grupos de economias [desenvolvidos ou em desenvolvimento], a desregulação está associada à queda na taxa de emprego no ano seguinte”. 

> Com reforma trabalhista, dê adeus à incorporação de função

Solução é emprego – Para Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Dieese, “mudanças precisam fortalecer a negociação e o diálogo de organizações representativas, em um ambiente institucional que valorize a solução dos conflitos e seja capaz de criar compromissos com o interesse da sociedade, elementos que atuam para promover o desenvolvimento do país”.

“O oposto do que Temer quer fazer com esse desmonte trabalhista”, critica Ivone.

> CNI divulga nota defendendo reformas

Nesta terça-feira 4, a urgência para votação da “reforma” (PLC 38/2017) será apreciada pelo plenário do Senado. Se aprovada, o projeto pode ser votado na quarta.

Na Pressão - “Temos de reforçar a pressão sobre os senadores. Aqueles que votarem por esse desmonte dos nossos direitos trabalhistas nunca mais serão eleitos”, convoca Ivone. Pressionar é fácil. Basta clicar aqui e seguir as intruções. Não leva mais do que alguns segundos.

 



Voltar para o topo