Pular para o conteúdo principal

Sindicato e Apcef levam reivindicações de PCDs para a Caixa

Linha fina
Na mesma reunião, também foram questionadas a mudança da bandeira dos vales refeição e alimentação e a qualidade do álcool em gel adquirido pela Caixa
Imagem Destaque

Em reunião com representantes da Gestão de Pessoas (Gipes) da Caixa Econômica Federal, dirigentes do Sindicato dos Bancários de São Paulo e da Apcef/SP apresentaram a pauta de reivindicações específica para os empregados com deficiência (PCDs). As demandas foram construídas em conjunto com os bancários. 

A Gipes se comprometeu a encaminhar todas as demandas que não são da sua alçada para  Brasília. 

> Reunião com a Gipes-SP discute demandas dos empregados pais e mães de PCDs

Outras demandas tiveram resposta na própria reunião, realizada na sexta-feira 17: 

 – Demanda: acompanhar quantidade de empregados(as) PCDs na Caixa, aprovados em PSIs e comissionados em funções
Resposta: Gipes irá tentar levantar os dados.

– Demanda: prioridade para empregado PCD na escolha do local de trabalho.
Resposta: é algo que não pode ser resolvido no âmbito da Gipes, mas podem avaliar caso a caso.

– Demanda: assegurar o trabalho em home office para PCDs; e Saúde Caixa para todos. 
Resposta: foram encaminhadas para Brasília e o movimento sindical continuará acompanhando uma resposta final. 

– Demanda: atuação de equipe multidisciplinar da Gipes no acompanhamento e resolução de problemas dos PCDs nas unidades de trabalho, com autonomia para definir mudanças de unidade/setor, para que possam exercer o trabalho de acordo com suas características individuais, adequação do mobiliário, espaço e equipamentos para cada PCD, individualmente, como braile, lixeiras basculantes, etc.
Resposta: a Gipes respondeu que este serviço já existe, mas acrescentou que nem tudo está ao alcance deles. Mas já que virou pauta dos empregados e como há desconhecimento sobre o serviço, o Sindicato irá acompanhar.

– Demanda: possibilidade de redução de jornada diária/flexibilização da jornada para pais de PCDs que fazem tratamento de saúde relacionado a deficiência, bem como do próprio funcionário PCD, quando for o caso, mediante avaliação médica e apresentação de laudos e documentos que comprovem o tratamento (tal possibilidade já existe para funcionários do Banco do Brasil e servidores amparados pela Lei 8.112/90). 
Resposta: a Gipes se comprometeu a acompanhar caso a caso, mas disse que esta demanda deve ser resolvida na alçada entre gerência e empregados.

Vales refeição e alimentação e álcool em gel

Na mesma reunião, os dirigentes sindicais questionaram os representantes da Caixa a respeito da mudança da bandeira dos vales alimentação e refeição. Os empregados estão reclamando que o cartão da empresa Verocard, que venceu licitação e passou a ser adotado pela Caixa, tem pouca aceitação no comércio. 

Ainda segundo relatos de bancários, a orientação passada é que eles próprios deveriam cobrar dos estabelecimentos comerciais que não aceitam a bandeira para que entrassem em contato com a Verocard, e a empresa retornaria. A Gipes, entretanto, disse que essa orientação é incorreta. Os bancários devem entrar em contato com a Verocard pelo site, cobrando credenciamento dos seus estabelecimentos onde costumam realizar suas compras e refeições.

Ainda na reunião, o Sindicato e a Apcef contestaram a qualidade do álcool em gel adquirido pela Caixa para higienização contra o coronavírus. Na reunião, a Gipes informou que o material está dentro dos padrões. 

A Apcef/SP enviou ne quinta-feira 16 ofício à Vice Presidência de Pessoas (Vipes) e à Vice Presidência Logística e Operações (Vilop) cobrando explicações a respeito da qualidade do produto. 

“O Sindicato e a Apcef irão encaminhar o álcool em gel pra testagem a fim de sanar as dúvidas e desconfianças sobre o produto”, informa André Sardão, dirigente sindical e empregado da Caixa.