Campanha 2018

Bancos frustram na primeira rodada de negociação

Fenaban chega à mesa sem resposta sobre proposta de pré-acordo para garantir validade da CCT após 31 de agosto, apresentada pelos bancários já na entrega da pauta de reivindicações, em 13 de junho. Próxima rodada será 12 de julho

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 28/06/2018 17:09 / Atualizado em 29/06/2018 18:28

Foto: Jailton Garcia/Contraf-CUT

A primeira rodada de negociação com os bancos, na quinta-feira 28, foi frustrante para os trabalhadores. A Fenaban (federação dos bancos) não levou para a mesa nenhuma resposta sobre o pré-acordo para garantir a validade da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) depois de 31 de agosto, proposta que foi apresentada pelo Comando Nacional dos Bancários, que representa os trabalhadores na mesa de negociação, já na entrega da pauta, ocorrida em 13 de junho. E também não foi estabelecido nenhum calendário para as próximas negociações. A única data estabelecida foi 12 de julho para a segunda rodada. 

Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do seu banco
> Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

“Esperávamos já sair dessa primeira rodada com o pré-acordo garantido. Mas infelizmente a Fenaban não trouxe respostas. O pré-acordo é fundamental diante do fim da ultratividade, um dos pontos nefastos da reforma trabalhista (lei 13.467/2017)”, destaca a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo e uma das coordenadoras do Comando, Ivone Silva.

O princípio da ultratividade, extinto pela nova lei, garantia a validade de um acordo até a assinatura de outro. Assim, a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria bancária perde a validade em 31 de agosto deste ano. “Portanto, sem um pré-acordo, todos os nossos direitos previstos na CCT, que são conquistas históricas da nossa luta, como jornada de seis horas, PLR, VA e VR, estabilidade pré-aposentadoria, enfim, todos os nossos direitos correm risco. Por isso, os bancários têm de ficar alertas e estar preparados para a mobilização”, destaca Ivone Silva.

> Não é benefício do banco. É conquista dos bancários!

A segunda rodada foi marcada para 12 de julho, às 10h, por conta da agenda dos bancos. “Antecipamos toda a nossa Campanha este ano justamente por conta desse risco [fim da ultratividade], e também porque será a primeira após a vigência da nova lei trabalhista, que retira direitos. Portanto, esperamos que no dia 12 os bancos tragam uma resposta sobre a ultratividade da nossa CCT. E não repitam a frustração desta primeira rodada”,diz a dirigente. 

Este ano, a Fenaban chega à mesa com novo negociador: Adauto de Oliveira Duarte assumiu o cargo, substituindo Magnus Apostólico. 

Negociações

Ivone lembra que a nova lei está, inclusive, enfraquecendo as negociaçoes coletivas. Segundo levantamento da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisa Econômica), o número de negociaçoes protocoladas caiu 74% nos cinco primeiros meses de 2018, em relação ao mesmo periodo de 2017. A queda foi mais aguda nas convenções coletivas, que tiveram redução de 84%. “Essa queda já é consequência do golpe de 2016 e as várias retiradas de direitos que esse golpe trouxe”, lembra Ivone.

“Diante disso, a categoria tem de estar, mais do que nunca, preparada para a luta em defesa de seus direitos e do próprio modelo de negociação, que também está em risco. Não a toa, um dos eixos de nossos debates nas conferências estaduais e na nacional foi a defesa da mesa única e válida para todo o país”, diz Ivone.

Prioridades

Uma das prioridades da categoria nessa Campanha é garantir que a CCT continue válida para todos os bancários, independentemente da remuneração do trabalhador. Um dos pontos nocivos da nova lei trabalhista é a figura do empregado hipersuficiente: quem ganha mais de duas vezes o teto do INSS, (atualmente R$ 11.291), poderia estabelecer acordos direto com o patrão e não estariam garantidos pela CCT. Outras prioridades são: estabelecer cláusulas na CCT que resguardem os bancários de outras ameaças previstas na lei 13.467, como contrato temporário e terceirização; garantia de empregos; defesa dos bancos públicos; aumento real. Outro ponto fundamental é a defesa da mesa única de negociações.

“Nos 26 anos da nossa CCT, conseguimos com muita luta agregar conquistas como VR, VA, PLR, auxilio-creche babá, 13ª cesta... E somente a mobilização e a luta da nossa categoria conseguirá manter esses direitos”, reforça a presidenta do Sindicato.

Campanha dos Bancários está nas ruas

Paralelamente às mesas de negociação, a categoria bancária lança sua campanha nas ruas, dialogar com trabalhadores de agências e centros administrativos dos bancos e com a população. Este ano o tema da Campanha é Todos por Direitos, para fazer frente às ameaças da "reforma" trabalhista (lei 13.467/2017). Sempre com muito bom humor e criatividade, os bancários promovem partidas de futebol entre o time dos trabalhadores e o dos emprésários. 

A Campanha 2018 foi às ruas pela primeira vez no dia 13 de junho, com ato lúdico no Largo da Batata. No mesmo dia 13, o Comando Nacional dos Bancários, que representa a categoria na mesa de negociação com os bancos, entregou à Fenaban (federação dos bancos) a pauta de reivindicações dos trabalhadores. A Campanha Nacional Unificada dos Bancários também já foi lançada em Osasco, na terça 26, na Avenida Paulista, na quinta 28. E na sexta-feira 29, foi a vez do Centro.

Veja abaixo vídeo do lançamento na Paulista quando, com gols da Democracia, Petrobras e Coalhada, o time Todos por Direitos – representando 450 mil bancários – venceu o Ganância Futebol Clube, que representa os banqueiros.



Voltar para o topo