Contra os Ataques

Direção da Caixa não defende a gestão!

Trabalhadores de todo o Brasil precisam encampar luta em defesa do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e do banco público, alvos de ataques do governo Bolsonaro

  • Contraf-CUT, com edição Redação Spbancarios
  • Publicado em 22/05/2019 18:07 / Atualizado em 07/08/2019 11:47

Os trabalhadores de todo o Brasil precisam defender a Caixa 100% Pública e o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), que vem sofrendo constantes ataques do governo Bolsonaro. Depois de publicar decreto que retirou o banco do Conselho Curador, agora foi anunciada, na semana passada, a intenção em mudar as regras de remuneração do FGTS. De acordo recente matéria publicada pelo jornal O Globo, o objetivo seria proteger os recursos dos trabalhadores contra a inflação. Todavia, o governo ainda não tem definido como seria o cálculo do novo rendimento.

“A direção da Caixa não se posicionando em relação a esse assunto mostra a má-fé na gestão desse importante banco público, que tem grande parte de sua rentabilidade vinculada ao Fundo de Garantia”, ressalta Dionísio Reis, diretor do Sindicato e empregado da Caixa.

A cobiça do setor privado sobre o FGTS não é nova, mas tem se intensificado nos últimos anos, já que ele é uma das fontes mais importantes de financiamento para o investimento público.

Sérgio Takemoto, secretário de Finanças da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e empregado da Caixa, lembra que o FGTS foi criado para que os trabalhadores, demitidos sem justa causa e ao se aposentar, tivessem acesso a uma poupança individual, no montante de um salário por ano de trabalho. “Além disso, o FGTS tem um papel social fundamental para o desenvolvimento do Brasil e do brasileiro. Até que os recursos sejam sacados pelos trabalhadores eles são utilizados para financiar políticas de habitação, infraestrutura urbana e saneamento”, enfatiza.

Dados do banco mostram que, entre 2012 e 2017, o crescimento do patrimônio líquido do FGTS foi de 88,55%. Enquanto isso, os fundos de investimento de bancos privados com características semelhantes obtiveram, nos últimos 36 meses, uma rentabilidade acumulada inferior a 30%.

Segundo o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Júnior, há várias alternativas sendo avaliadas para reestruturar o Fundo de Garantia, mas os estudos ainda estão na fase inicial. Ele antecipou que serão realizadas reformatações, com mudanças em sua governança, gestão e rentabilidade.

Takemoto explica ainda que a rentabilidade do FGTS é estabelecida em lei, que define que as contas vinculadas são remuneradas, mensalmente, com base em uma taxa de juros de 3% ao ano acrescida da variação da TR no período. “A Lei 13.446/2017 prevê, ainda, a distribuição aos cotistas de metade do lucro líquido do Fundo, proporcionalmente às cotas, o que fez com que a rentabilidade das contas fosse, naquele ano, de 7,14%, próxima à rentabilidade líquida que fundos de investimento de bancos privados lastreados em crédito privado alcançaram no mesmo período”, finaliza.

 



Voltar para o topo