Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Campanha 2020

Empregados defendem atual modelo de custeio do Saúde Caixa

Caixa defendeu alteração do modelo de custeio; Sindicato avalia que a intenção do presidente do banco, Pedro Guimarães, é atacar o direito dos empregados à saúde, desmontar a Caixa e acabar com o Saúde Caixa

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 19/08/2020 18:59 / Atualizado em 19/08/2020 19:55

Em mesa de negociação, realizada nesta quarta 19, no âmbito da Campanha Nacional dos Bancários 2020, os representantes da Caixa defenderam a alteração do modelo de custeio do Saúde Caixa com o argumento de que seria necessário atender a CPC 33, o estatuto do banco, resoluções da CGPAR e supostas demandas de usuários para que a cobrança passe a ser individualizada. Por sua vez, os representantes dos empregados defenderam o atual modelo de custeio e o Saúde Caixa para todos, com a garantia da inclusão de novos empregados no plano. 

> Terceira negociação: Caixa não traz respostas e ataca direitos
> Segunda negociação: saúde em primeiro lugar
> Primeira negociação: home office 

“A Caixa tenta jogar a responsabilidade por decisões do presidente do banco, Pedro Guimarães, que fizeram com que a Caixa perdesse mercado, no Saúde Caixa. A liquidez obtida com o teto de gastos não está sendo investida no negócio da Caixa, em prol da população, mas sim transferida ao Tesouro. Já saíram cerca de R$ 20 bilhões da Caixa dessa forma, e o presidente prometeu chegar a R$ 40 bilhões. Enquanto utilizam a justificativa da liquidez para golpear o Saúde Caixa, na verdade estão reduzindo a liquidez do banco, ao mesmo tempo em que implementam um plano de fatiamento e privatização da instituição” enfatiza Leonardo Quadros, diretor da Apcef-SP, que na suplência representa a Fetec-SP na CEE/Caixa.

“Além de acabar com a saúde dos trabalhadores, submetendo-os a uma sobrecarga de trabalho desumana, e desmontar a Caixa 100% Pública, Pedro Guimarães pretende retirar o Saúde Caixa, encarecendo e inviabilizando o plano. A argumentação de defesa do negócio da Caixa é completamente contraditória, uma vez que a atual gestão, sob ordens do governo federal, quer vender seus ativos mais rentáveis", critica o diretor do Sindicato e membro da CEE/Caixa, Dionísio Reis.   

Jornada, banco de horas e férias 

Antes de abordarem o Saúde Caixa, tema principal da reunião, os representantes do banco apresentaram proposta sobre a flexibilização da jornada. A Caixa propôs a possibilidade de intervalo de 30 minutos (opcional) para quem faz jornada de 8 horas, além de férias divididas em até três vezes, bem como o banco de horas. O banco alega que as medidas dariam mais autonomia ao empregado, proporcionando a possibilidade de sair mais cedo e gerir melhor seu tempo. Entretanto, a antecipação da saída dependeria da anuência do gestor, o que contradiz o argumento de “autonomia”. 

A Caixa propôs ainda dividir as férias em três períodos, nos moldes estabelecidos pela reforma trabalhista. 

"Não vemos isso no dia a dia. Hoje, as demandas e a chefia obrigam os empregados a tirarem férias em determinados períodos, almoçarem em determinados horários. Essa flexibilização poderá prejudicar ainda mais a saúde dos empregados", alerta Dionísio.  

Sobre o banco de horas, a Caixa disse que o mesmo seria implementado com limites, para evitar “abusos” das partes. Por outro lado, a CEE/Caixa sustenta que no atual cenário, com agências e trabalhadores sobrecarregados, o empregado não teria liberdade para decidir quando se ausentar do trabalho.  

Saúde Caixa 

De acordo com a Caixa, o teto de gastos com o Saúde Caixa permitiu que a Caixa se enquadrasse ao Acordo de Basileia, liberando parte da provisão do benefício pós-emprego, o que permitiu continuar a realizar operações de crédito. A representação dos empregados questionou a argumentação dos representantes do banco ao demonstrar que, mesmo com a liberação das provisões, a Caixa não ampliou suas operações de crédito. Também denunciou o fato do presidente do banco, Pedro Guimarães, ter devolvido ao tesouro cerca de R$ 25 bilhões em IHCDs, o que comprometeu a estrutura de capital da Caixa, que não voltou a oferecer crédito como antes e tem perdido mercado. 

Além disso, o banco alega que é preciso alterar o modelo de custeio para garantir a sustentabilidade do plano, uma vez que o pacto intergeracional estaria comprometido pelo envelhecimento dos participantes, tese refutada pelos empregados. 

“A proposta da Caixa de alterar o formato de custeio compromete o acesso ao plano, comprometendo, aí sim, suas premissas, que são o pacto intergeracional, a solidariedade e o mutualismo. A CEE/Caixa contesta o estudo atuarial contratado pelo banco, pois as premissas adotadas pela empresa que o realizou não se aplicam à nossa atual realidade. A sinistralidade, neste ano, por exemplo, foi reduzida. Defendemos a manutenção da proporção de 70/30 no custeio das despesas assistenciais do plano para garantir que os empregados tenham de fato acesso ao plano”, diz o diretor do Sindicato. 

 

 

“Mesmo sem reajuste desde 2008, o Saúde Caixa apresentou superávit até 2015 e ainda temos superávit acumulado. Essa liquidez de capital, obtida com o teto de 6,5%, que foi inserido no estatuto para que a banco não honre o seu compromisso com o Saúde Caixa, não foi direcionada ao negócio da Caixa, e sim para o tesouro, via devolução de IHCDs. A CGPAR tem papel de orientar, não é ela que decide, e o Saúde Caixa foi construído antes das atuais resoluções. Nossa proposta é a manutenção do modelo 70/30 e a inclusão de novos contratados no plano, oxigenando o plano e assegurando novos recursos para a sua sustentabilidade”, acrescenta Leonardo Quadros. 

Os representantes do banco defenderam ainda a cobrança individualizada, com valores fixos por faixa etária. “Na prática, essa proposta acarretaria em redução da remuneração líquida dos empregados”, esclarece Dionísio. 

A Caixa não apresentou os números do plano. 

Por fim, a Caixa propôs suspender a reunião, que será retomada na sexta-feira 21, e informou que, atendendo demandas apresentadas pela CEE/Caixa, reforçou a comunicação às unidades com relação ao rodízio e demais cuidados necessários em razão da pandemia de coronavírus. 

“Defendemos o Saúde Caixa para todos, mantendo o atual modelo de custeio, garantindo os princípios do pacto intergeracional, mutualismo e a solidariedade. A gestão de Pedro Guimarães utilizou o argumento da competitividade do banco para manter o teto de gastos, mas isso cai por terra quando essa mesma gestão descapitaliza o banco, o faz perder mercado e planeja vender seus ativos mais rentáveis”, conclui o diretor do Sindicato. 

Conecte-se ao Sindicato

Mande aqui um WhatsApp para o Sindicato, salve o nosso número nos seus contatos e fique por dentro de tudo o que acontece na Campanha Nacional dos Bancários 2020. Ou cadastre-se para receber notícias da campanha em seu e-mail.

Acesse a página de notícias Ao Vivo e siga o Sindicato dos Bancários no FacebookTwitterInstagramLinkedin e Youtube para se manter informado sobre a Campanha Nacional dos Bancários 2020.



Voltar para o topo