Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Campanha 2020

Em negociação, Caixa não traz respostas e ataca direitos

Na terceira mesa de negociação específica, no âmbito da Campanha Nacional dos Bancários 2020, representantes do banco público se calam sobre maior parte das reivindicações, avançam pouco e ainda atacam direitos como a PLR; Somente a mobilização de todos os empregados pode assegurar os direitos!

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 17/08/2020 18:18 / Atualizado em 17/08/2020 19:02

Arte: Linton Publio/Seeb-SP

Aconteceu nesta segunda-feira 17, de forma virtual, a terceira mesa de negociação específica da Caixa no âmbito da Campanha Nacional dos Bancários 2020. Neste encontro, a CEE/Caixa (Comissão Executiva dos Empregados da Caixa) debateu com os representantes do banco questões relacionadas à igualdade de oportunidades e às cláusulas sociais. 

> Segunda negociação: saúde em primeiro lugar
> Primeira negociação: home office 

“A Caixa praticamente não apresentou respostas às nossas reivindicações, e os avanços são mínimos, o que é extremamente grave tendo em vista o avanço da Campanha Nacional dos Bancários 2020. Cobramos dos representantes do banco uma posição sobre a pauta que apresentamos, incluídas questões como PLR e Saúde Caixa. Reforçamos nosso posicionamento de manter as cláusulas sociais e avançando nos direitos como, por exemplo, a redução de tarifas e juros, o que se aplica aos empregados da ativa e aposentados”, relata Leonardo Quadros, diretor da Apcef-SP, que na suplência representa a Fetec-SP na CEE/Caixa.

A Caixa alega dificuldades com a Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Sest) para manter a PLR no formato conquistado pelos empregados e mantido nos últimos anos. Além disso, os representantes do banco informaram que a Caixa deseja aplicar o parcelamento de férias em três períodos e intervalo de almoço de 30 minutos para a jornada de oito horas, conforme prevê a reforma trabalhista. O banco alega que foi indagado pelo Ministério Público do Trabalho sobre estas questões, que seriam importantes para “flexibilizar” a jornada dos empregados. 

“Além de não apresentar respostas às nossas reivindicações, a Caixa dá claros sinais de que pretende avançar contra as conquistas dos empregados. Não aceitamos nenhum direito a menos! Exigimos a nossa PLR e a PLR Social no formato conquistado! Cobramos o Saúde Caixa para todos, além de condições de trabalho adequadas e a justa valorização pelo nosso trabalho. Atacar os direitos dos empregados da Caixa, quando mais uma vez os trabalhadores dão um exemplo de compromisso com a sociedade, ao contrário do governo federal, é inadmissível! Mais do que nunca precisamos da mobilização de todos os empregados e empregadas. A Caixa 100% Pública e os nossos direitos estão seriamente ameaçados. Somente com a nossa união e mobilização venceremos mais essa batalha”, conclama o diretor do Sindicato e membro da CEE/Caixa, Dionísio Reis.  

Igualdade de Oportunidades

A CEE/Caixa enfatizou que a Caixa foi o único banco a não participar do Censo da Diversidade; tratou das dificuldades enfrentadas por pessoas com deficiência (PCDs) nos locais de trabalho e suas reivindicações; lembrou que a contratação de PCDs foi fruto de ação judicial do movimento sindical; e destacou o fato de que a Caixa nunca apresentou qualquer proposta para combater o racismo estrutural, algo grave para um banco que deveria ser pioneiro no tema, uma vez que precisa atender todas a sociedade brasileira, fortemente caracterizada por sua diversidade. Para os representantes dos empregados, o tema igualdade de oportunidades deve ser debatido permanentemente, e não apenas nas campanhas nacionais da categoria. 

Por sua vez, a Caixa alegou que demorou a aderir ao Censo da Diversidade e que a adesão foi baixa. Porém, não citou qualquer ação do banco para aumentar a participação dos empregados. O banco também reconheceu que precisa avançar nas condições de trabalho para PCDs, uma vez que existe uma dispersão muito grande entre as chefias no tratamento dos empregados. 

Caixa: pais de PCDs fazem abaixo-assinado por reivindicações específicas

Saúde Caixa 

A Caixa confirmou para a quarta-feira 19 a realização de mesa de negociação específica sobre o Saúde Caixa, conforme reivindicado pela CEE/Caixa, e que prepara uma proposta para o tema. 

Jornada

Sobre a jornada de trabalho, a Caixa alegou que reduziu em uma hora o horário de fechamento das agências, ao invés de abrir uma hora depois, porque a maior parte dos atendimentos estaria concentrada no início do dia. Os representantes do banco afirmaram que haverá ampla divulgação sobre a mudança de horário, que terá início na terça-feira 18. 

Rodízio nas agências

Sobre o rodízio, a Caixa se comprometeu à mantê-lo e reconheceu sua importancia para a proteção à saúde. Esclareceu ainda que os SEVs têm autonomia de realocar os empregados entre as unidades para garantir o rodízio, e serão orientados a atuar neste sentido.

Superlotação e cobrança de metas 

A CEE/Caixa ressaltou a preocupação com a orientação vinda do próprio VIRED de colocar a maior quantidade possível de pessoas nas agências, e os impactos para saúde dos empregados e da população. Questionou também a incongruência da cobrança de metas e a resposta oficial da empresa de que o atendimento presencial seria limitado aos serviços essenciais, reivindicando que a cobrança de metas em meio à pandemia de coronavírus seja revista. 

 

 

A Caixa respondeu que os negócios devem ser feitos pelos empregados que estão em trabalho remoto, e não pelos que estão na agência. Entretanto, a CEE/Caixa esclareceu que, na prática, o que ocorre é o contrário. Que, pelo fato de estarem sendo cobrados por metas, os gerentes gerais não vão liberar empregados para atuarem em outras unidades, comprometendo o rodízio. 

Os representantes dos empregados destacaram ainda que mudanças de sistemas e calendários em meio à pandemia, somadas à cobrança de metas, contribuem para piorar o clima nas unidades, que já é horrível. “Equilibrar um bom atendimento nas agências com a proteção à saúde dos empregados passa necessariamente pela não cobrança de metas neste momento. Cobramos respostas quanto à esta reivinidicação”, diz Leonardo Quadros. 

A CEE/Caixa enfatizou ainda que existem unidades que continuam convocando empregados do grupo de risco para o trabalho presencial, cobrando uma posição mais firme do banco para que a orientação de manter o home office seja respeitada. 

Por sua vez, a Caixa se comprometeu em reforçar as orientações para as unidades como a higienização adequada, respeito ao rodício, e home office para empregados do grupo de risco. 

Caixa: não há recomendação de retorno presencial e metas nas agências

Terceirizados 

Sobre a cobrança da CEE/Caixa para que o banco se responsabilize pelos terceirizados, assegurando que sejam afastados em caso de grupo de risco e suspeita ou confirmação de Covid-19, a Caixa alega que não pode intervir nos terceirizados, mas que orienta as empresas prestadoras a avaliar o afastamento e que não pode garantir que os terceirizados afastados não tenham o contrato de trabalho rescindido ou prejuízos na remuneração. 

Conecte-se ao Sindicato

Mande aqui um WhatsApp para o Sindicato, salve o nosso número nos seus contatos e fique por dentro de tudo o que acontece na Campanha Nacional dos Bancários 2020. Ou cadastre-se para receber notícias da campanha em seu e-mail.

Acesse a página de notícias Ao Vivo e siga o Sindicato dos Bancários no FacebookTwitterInstagramLinkedin e Youtube para se manter informado sobre a Campanha Nacional dos Bancários 2020.



Voltar para o topo