Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Inclusão e Crescimento

Ivone Silva: bancos públicos são fundamentais para o desenvolvimento e distribuição de renda

Linha fina
Presidenta do Sindicato participou nesta segunda-feira 19 do seminário “Reconstruir e Transformar o Brasil”, promovido pela Fundação Perseu Abramo e pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para debater a crise econômica e os caminhos para a recuperação com mais emprego, renda e justiça social
Imagem Destaque
Foto: Seeb-SP

A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, defendeu nesta segunda-feira 19 a importância dos bancos públicos para o desenvolvimento econômico e social do país e na distribuição de renda durante a pandemia do novo coronavírus. Foi durante o seminário “Reconstruir e Transformar o Brasil” (acompanhe aqui), promovido ao longo de todo o dia pela Fundação Perseu Abramo e pelo Partido dos Trabalhadores (PT) para debater a crise econômica e os caminhos para a recuperação com mais emprego, renda e justiça social.

Em sua participação, Ivone, entre outras questões, ressaltou a importância do BNDES no financiamento de longo prazo e investimento; do Banco do Brasil, na concessão de crédito agrícola; da Caixa, na execução de programas sociais e pagamentos aos trabalhadores; e dos bancos regionais (Banpará, Basa, BRB, Banco do Nordeste, Banese, Banestes, BDMG, Banrisul), como principais instrumentos para o desenvolvimento local.

"Importante destacar que os bancos públicos desempenham um papel fundamental na economia brasileira, pois são um importante instrumento de política econômica e de promoção ao desenvolvimento econômico e social. Durante a pandemia, foram abertas na Caixa 91,6 milhões de contas de poupança digitais, com R$ 300 bilhões em benefícios sociais, para mais de 131 milhões de pessoas", destacou.

“A Caixa, no auxílio emergencial e no saque do FGTS, entre outros, é o único banco que realiza estes pagamentos. E agora, com a alta no preço dos alimentos, temos também de ressaltar que o Banco do Brasil é responsável por 55,7% do crédito agrícola no país, principalmente para o pequeno agricultor, que consegue, com juros mais baratos, produzir e levar o alimento a um preço justo à mesa dos brasileiros. Mas o que o atual governo, no caso do BB, fez? Tirou o crédito dos pequenos produtores. Os grandes viram oportunidades, exportaram e deixaram o Brasil sem alimentos, encarecendo o preço do arroz e de outros alimentos aqui”, acrescentou a dirigente.

Ivone também lembrou de 2008 e da importância dos bancos públicos para superar uma das maiores crises econômicas internacionais de todos os tempos: “Enquanto o mundo vivia uma grave crise, no Brasil os bancos públicos, por meio do Minha Casa, Minha Vida e do Bolsa Família, entre outros programas, ofereciam crédito a juros baixos e distribuíam renda”.

A presidenta do Sindicato aproveitou o evento também para falar dos ataques do atual governo às empresas públicas e da importância da luta em defesa da soberania nacional. "Este é um governo que quer destruir as empresas públicas, e isso está prejudicando o Brasil. Sabemos que os bancos públicos são fundamentais porque têm funções que vão além da busca do lucro - e há atividades e setores econômicos que os bancos privados não têm interesse em participar. São justamente os bancos públicos que viabilizam políticas econômicas e sociais e financiam setores e segmentos específicos. Por isso, são imprescindíveis para o desenvolvimento do país e para aumentar o bem-estar social”, acrescenta Ivone.

O seminário “Reconstruir e Transformar o Brasil” conta com a presença de importantes lideranças políticas, entre elas o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a ex-presidenta Dilma Rousseff e a deputada federal e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann.