Campanha 2018

Assembleia lotada rejeita proposta

Bancários reforçam unidade e mobilização ao votarem por unanimidade contra proposta que cobre apenas a inflação e não atende as reivindicações da categoria

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 08/08/2018 21:24 / Atualizado em 10/08/2018 16:25

Foto: Juca Varella

A categoria bancária deu um enfático não para a proposta apresentada pela Fenaban, que apenas cobre a inflação medida pelo INPC para salários, pisos e demais verbas, como PLR, VA, VR, auxílio-creche/babá. Em assembleia lotada realizada na quarta-feira 8, trabalhadores de bancos privados e públicos rejeitaram a proposta da Fenaban por unanimidade.

> Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários, ressalta que mesmo em meio a uma das maiores crises econômicas já atravessadas pelo país, que resulta em mais de 12 milhões de desempregados, os bancos seguem registrando recordes de lucros e promovendo demissões. “Por isso, essa proposta que não garante os empregos dos trabalhadores, não oferece nem um centavo de aumento real e não dá resposta a outras reivindicações é inaceitável”, afirma Ivone, uma das coordenadoras do comando Nacional dos Bancários, que representa a categoria nas negociações com a Fenaban (federação dos bancos).

O que a Fenaban apresentou na última rodada de negociação, na terça-feira 7, tampouco contempla reivindicações importantes, como a não substituição de bancários por terceirizados, a não adoção das novas formas de contratação previstas na reforma trabalhista e o combate às metas abusivas que adoecem grande número de trabalhadores.

“Esperamos que nessa próxima negociação, a Fenaban e os bancos públicos apresentem proposta que respeite o esforço da categoria bancária”‭, ‬afirma Ivone Silva‭.‬ A próxima mesa com a Fenaban será no dia 17.

 

 

> 2017: Bancos lucram mais, fecham agências e cortam vagas
> Bancos brasileiros são campeões mundiais de lucro
> Ivone Silva: "Bancos, o setor que mais lucra no Brasil"
> Você sabe quanto ganham os diretores executivos do seu banco?

Dia do Basta‭ 

‬A assembleia também decidiu pela participação da categoria nos atos e paralisações da sexta-feira 10‭ ‬de agosto‭, ‬o Dia do Basta‭, ‬convocado pela CUT‭, ‬CTB‭, ‬Intersindical e demais centrais sindicais e pelos movimentos sociais‭, ‬contra os retrocessos do governo Temer‭, ‬como a reforma trabalhista‭, ‬o aumento dos combustíveis‭, ‬a entrega do patrimônio nacional e o desmonte das empresas públicas‭, ‬o desemprego‭, ‬crescimento da miséria e cortes nas verbas da saúde e educação‭.‬

Ato em Brasília contra CGPAR 23

Os trabalhadores presentes à assembleia também aprovaram a adesão ao protesto contra as resoluções 22 e 23 da CGPAR que aniquilam os planos de saúde de empresas públicas, e em defesa dos bancos públicos.  O ato será realizado no dia 15 de agosto, em frente ao Ministério da Fazenda, em Brasília.

No país

Em todo o país, a categoria disse “não” ao que a Fenaban apresentou na mesa de negociação e aprovou participação no Dia do Basta, na sexta 10. Entre os demais estados e cidades que rejeitaram a proposta estão Rio de Janeiro, de Angra (RJ), Campo Grande e ainda Dourados (MS), Jundiaí e região (SP), Pará, Mato Grosso, Campos dos Goytacazes e Região (RJ) e Belo Horizonte (BH), Paraíba, Taubaté e Região (SP), Bahia, Flirianópolis e Região (SC), Rondônia, Acre, Amapá, entre outros.

Saiba como foram as negociações com a Fenaban

> 1ª rodada: Bancos frustram na primeira rodada de negociação
> 2ª rodada: Calendário de negociações foi definido
> 3ª rodada: Categoria adoece, mas Fenaban não apresenta proposta 
> 4ª rodada: Em mesa de emprego, bancos não se comprometem contra contratações precárias
> 5ª rodada: Bancos não apresentam proposta
> 6ª rodada: Bancos lucram bilhões e não querem dar aumento real

Saiba como foram as negociações com o Banco do Brasil

> 1ª rodada: BB mostra disposição para negociar com funcionários
> 2ª rodada: Segunda mesa com BB define abrangência do acordo
> 3ª rodada: Terceira negociação com BB traz poucos avanços
> 4ª rodada: Banco do Brasil propõe reduzir prazo de descomissionamento e não avança na pauta
> 5ª rodada: Mesa de negociação com BB fica zerada na pauta econômica
> 6ª rodada: BB apresenta proposta insuficiente e incompleta

Saiba como foram as negociações com a Caixa:

> 1ª rodada: Empregados e Caixa definem calendário de negociação
> 2ª rodada: Direção da Caixa não garante direitos dos empregados
> 3ª rodada: Governo quer impor o fim do Saúde Caixa
> 4ª rodada: Caixa não avança nas negociações
> 5ª rodada: Caixa apresenta proposta inaceitável



Voltar para o topo