Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Caixa Federal

Caixa 160 anos: na luta a gente se encontra

Banco público faz aniversário na próxima terça 12. Sindicato parabeniza empregados pelo compromisso com a população brasileira e luta na defesa dos seus direitos, da Caixa 100% Pública e pelo fortalecimento do importante papel social do banco

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 08/01/2021 17:19 / Atualizado em 08/01/2021 17:26

Foto: Mauricio Morais

Na próxima terça-feira 12, a Caixa Econômica Federal completa 160 anos de existência e serviços prestados ao desenvolvimento do país e ao povo brasileiro. 

Tanto nos momentos de maior valorização do banco público, como foi o período entre 2003 e 2014, quanto em tempos de maior ameaça ao caráter público e a função social da Caixa, como foram anos 1990 e está sendo o atual período, quem sempre fez com que o banco continuasse sendo uma instituição fundamental para os brasileiros foram os seus empregados. 

Por isso, o parabéns do Sindicato nestes 160 anos de Caixa vai para os empregados do banco público. 

“Os empregados são a alma, o coração, as pernas e os braços da Caixa. Mesmo com os ataques aos seus direitos, mesmo com o atual governo jogando contra a Caixa 100% Pública, são eles que constroem diariamente esse banco público tão importante. São eles que defendem a Caixa, fazem a luta pela valorização do seu papel social, que de fato desejam uma Caixa cada vez mais presente na vida dos brasileiros”, diz o diretor executivo do Sindicato e empregado da Caixa, Dionísio Reis. 

A Caixa - que já chegou a ter 101 mil empregados em 2014, atualmente não chega a ter 85 mil. 

Sempre ao lado dos brasileiros

A Caixa - que a partir de 1870 foi o banco que passou a receber depósitos de pessoas escravizadas para que comprassem a alforria - sempre esteve ao lado dos brasileiros, cumprindo um importante papel social enquanto banco público. 

É o banco da habitação, do financiamento imobiliário, do FGTS, do Bolsa Família, do repasse de recursos das loterias, da oferta de crédito e financiamento de obras de infraestrutura; do auxílio-emergencial; da presença em cidades e regiões nas quais os bancos privados não tem interesse em atuar.

“A pandemia mostrou, mais uma vez, o quanto a Caixa 100% Pública é fundamental para a população brasileira. Mesmo com todas as dificuldades enfrentadas, com a falta de planejamento e de respeito por parte do governo federal, os empregados da Caixa deram uma verdadeira lição de comprometimento com o povo brasileiro, garantindo o pagamento do auxílio-emergencial para milhões de pessoas”, enfatiza Dionísio. 

CLIQUE AQUI e conheça mais sobre a história da Caixa e da luta dos seus empregados  

A luta coletiva é marca dos empregados da Caixa 

 

 

Uma marca dos empregados da Caixa é a luta coletiva, seja pelos seus direitos ou então na defesa da Caixa 100% Pública e do seu papel social. 

Em 1971, em plena ditadura, os empregados da Caixa criaram a Fenae (Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal) e as Apcef (Associação do Pessoal da Caixa Econômica Federal), unificando a luta dos trabalhadores do banco público de todo o país. Já em 1985, os empregados aprovam uma greve de 24 horas, que resulta na conquista da condição de bancários e na jornada de 6 horas.

“Hoje não é diferente. Diante de um governo extremamente neoliberal, privatista, que pretende fatiar e vender o banco aos pedaços, os empregados estão na linha de frente da luta em defesa da Caixa 100% Pública, barrando as investidas contra o banco público e contra seus direitos e empregos. Essas lutas são indissociáveis, caminham juntas”, afirma o diretor do Sindicato. 

Após muitas reivindicações, enfim a Caixa reabre o Saúde Caixa e cumpre o ACT

“Na próxima terça-feira 12, nos 160 anos da Caixa, nossa comemoração será aquela com a qual estamos acostumados e valorizamos: a luta. Estaremos nas redes e ruas, respeitando as medidas de distanciamento social, defendendo os direitos e empregos dos trabalhadores; a Caixa 100% Pública; o fortalecimento do papel social do banco; por mais contratações. É na luta que a gente se encontra e, juntos, somos mais fortes”, conclui Dionísio. 



Voltar para o topo