Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Reestruturação

Vai ter luta no BB

Os ataques do governo federal contra o Banco do Brasil serão o principal foco dos dias de luta que da categoria

  • William De Lucca, SPBancarios
  • Publicado em 21/02/2020 17:07 / Atualizado em 21/02/2020 17:10

Foto: Freepik

Os funcionários do Banco do Brasil terão dias de mobilização contra os desmontes promovidos pelo Governo Federal contra o banco. O calendário inclui um dia de luta, consultas e reuniões com os trabalhadores e ainda um ato com as centrais sindicais contra os ataques.

A mobilização começa no próximo dia 27, com um Dia Nacional de Luta, onde os funcionários vestirão preto para mostrar adesão e unidade na luta. No dia 10/03, os funcionários responderão consultas nos locais de trabalho e participarão de reuniões e plenárias para discutir as próximas ações.

"Temos de ampliar este debate sobre a crueldade da reforma administrativa implementada no Banco do Brasil. Nós, colegas, temos a missão de fazer chegar a todos que conhecemos a importância da unidade na luta contra este desmonte", explica o dirigente sindical e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga.

Somente diretores indicados pelo mercado terão aumentos no BB

O dirigente diz que o banco se negou a abrir negociações sobre a reestruturação e a reforma administrativa apresentada pelo executivo, não respondendo os ofícios encaminhados pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da CUT (Contraf-CUT).

João lembra que o Banco do Brasil também tem divulgado como uma conquista o aumento de R$ 120 milhões para 200 milhões no repasse no Programa de Desempenho Gratificado (PDG) e todos os funcionários passando a receber no programa, mas não informa que o valor a ser recebido pelos bancários será menor. Como todos passam a ganhar, o valor final para cada trabalhador será menor.

MB: a luta dos bancários contra o desmonte do BB

 

 

"Muitos funcionários do BB tem reclamado que não receberam nada, porque o banco muda os critérios sem informar, e outros tem criticado o desconto do Imposto de Renda, o que não acontecia antes. Outros estão recebendo parte do PDG em ações, e para poder ter algum lucro precisam torcer para que ações tenham alta e eles possam vender", relata o dirigente sindical.

Ato pelos servidores

No dia 18/03, os bancários do Banco do Brasil somam-se aos atos convocados pelas centrais sindicais em defesa do serviço público de qualidade para todos, com mobilização por todo o país. "A defesa não é somente contra as maldades desta reforma administrativa que atacou nossos cargos e salários, mas também em defesa do banco público e da soberania nacional", finaliza Fukunaga.



Voltar para o topo