Pular para o conteúdo principal
Chapéu
EDITORIAL - FOLHA BANCÁRIA

Dia 18 vai ter luta!

Linha fina
Em editorial da Folha Bancária 6.228, a presidenta do Sindicato, Ivone Silva, chama os bancários a se juntarem à mobilização nacional no próximo dia 18, em defesa da democracia, da soberania nacional e das empresas públicas, como BB e Caixa
Imagem Destaque
Foto: Seeb-SP

Na coluna Ao Leitor, da Folha Bancária 6.228, a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Ivone Silva, chama os bancários e bancárias a participar do Dia Nacional de Luta em defesa da democracia, da soberania nacional e das empresas públicos, como Caixa e BB, que será no próximo dia 18 de março. A dirigente informa que a partir desta terça 10, o Sindicato estará em agências e concentrações bancárias, em especial do Banco do Brasil e Caixa, para mobilizar a categoria para os atos do dia 18.

> Mobilização nesta terça 10 chama bancários para ato nacional no dia 18

Ela destaca que motivos não faltam para os brasileiros se mobilizarem: desemprego, aumento da informalidade, diminuição do poder de compra dos trabalhadores, e desmonte dos bancos públicos.

> Ivone Silva: as reformas melhoraram sua vida? Assista

Leia abaixo na íntegra.

Ao Leitor – Folha Bancária 6.228

Dia 18 vai ter luta!

A CUT e demais centrais sindicais e movimentos sociais se preparam para atos pelo país no próximo dia 18 de março. A mobilização é em defesa da democracia, da soberania nacional e das empresas públicas.

Dia 10 teremos consulta nos locais de trabalho para funcionários do BB e Caixa.

A classe trabalhadora só avança no ambiente da democracia. Não há conquistas sociais, econômicas ou políticas sem diálogo e sem ouvir a classe trabalhadora.

A população não pode aceitar o aumento da informalidade e do subemprego. É preciso retomar políticas públicas, como a de valorização do salário mínimo, e o maior poder de compra do trabalhador, que é isso que faz girar a economia. Crédito com juros menores para financiamento do país.

É preciso fazer um debate político com a população, valorizando os sindicatos, que representam a principal resistência contra o governo e, por isso, estão sendo atacados.

Todos juntos: em defesa da democracia, bancos públicos e empresas públicas!