Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Assédio Moral

Santander: novos modelos, velhos métodos

Linha fina
Trabalhadores denunciam ao Sindicato assédio moral e consequente adoecimento para cumprimento de metas estabelecidas por gestores e com avaliações baseadas no novo sistema do banco
Imagem Destaque
Charge: Marcio Baraldi

O novo modelo de metas do Santander está no terceiro mês, mas as velhas práticas nefastas de gestores do banco contra os seus subordinados continuam.  Segundo denúncias de bancários feitas ao Sindicato, a pressão pelo cumprimento de metas tem se transformado em casos de assédio moral em série, provocando o adoecimento de trabalhadores.

Santander quer seu sangue

Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos trabalhistas

Criadas para serem semestrais, as cobranças do novo sistema se tornaram mensais. No trato direto, todavia, segundo o dirigente sindical André Camorozano, bancário do Santander, elas são diárias.

“Recebemos algumas denúncias de que, na maioria dos casos, há exigência de bater a meta do mês inteiro já na primeira semana, o que é inadmissível”, enfatiza o dirigente.

Segundo Camorozano, há trabalhadores que fecharam com nota A, no primeiro quadrante (Q1), em janeiro, mas que, ao consultarem agora em março o sistema, caíram para a nota C, no quarto quadrante (Q4). Quanto menor o número do quadrante, maior a produtividade.

“Além do gerente geral cobrando os trabalhadores, agora o próprio gerente regional vai pessoalmente assediar aqueles que não estão no primeiro quadrante (Q1) com nota A, ou seja, abaixo das expectativas. Além disso, o próprio regional confere pessoalmente se o gerente da agência ligou para os clientes, o que, além de constrangimento, torna-se uma ameaça, uma atitude explícita de assédio moral”, critica o dirigente.

"Esse tipo de prática nefasta está levando os já poucos funcionários das agências – há locais com apenas 5 bancários – ao  adoecimento, com casos concretos de trabalhadores passando mal no próprio local de trabalho. O papel do gestor é orientar, e não aborrecer os trabalhadores", acrescenta Camorozano. 

O Sindicato tem insistido com o Santander da necessidade de rever metas e cobranças. Além disso, a entidade irá intensificar os protestos nos locais de trabalho onde forem indentificadas as práticas abusivas. 

O dirigente lembra que os bancários que estiverem passando por cobranças abusivas devem procurar o Sindicato, que tem um canal de denúncias contra o assédio moral. As queixas, com garantia de anonimato, também podem ser feitas para a Central de Atendimento, por meio do chat ou pelo telefone 11 4949-5998. 

Santander 5.0

Paralelamente ao novo modelo de metas, o banco está em processo de implementação do Santander 5.0, um fórum de boas práticas que tem gerado questionamentos dos funcionários. "O Sindicato está recebendo algumas informações, mas precisa saber da viabilidade desse novo processo, se está sendo benéfico ou prejudicial para os trabalhadores. Pedimos que os bancários do Santander entrem em contato conosco pelos mesmos canais acima e nos informem o Santander 5.0 é viável ou não", finaliza Camorozano.