Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Artigo

Ivone Silva: preço do combustível e política de preços da Petrobrás

Linha fina
Em artigo, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região analisa as causas e consequências da alta dos combustíveis
Imagem Destaque
Foto: Seeb-SP

Você sabe o motivo do aumento no preço do combustível?

O caos político e econômico tem como ponto inicial um golpe e a irresponsabilidade de um governo ilegítimo que tirou a presidenta Dilma Rousseff do poder. E, é bom lembrar, que  esse golpe se estendeu à eleição seguinte, com a farsa da Lava Jato, a retirada do presidente Lula da disputa eleitoral, com um objetivo claro de mudança de política de Estado, e isso também inclui o controle da Petrobras.

Vamos relembrar. Temer acirrou a política de desmonte do Estado, com o objetivo de privatizar setores estratégicos do país. Para agradar  acionistas e ampliar suas remunerações, em 2016, a direção da Petrobras, que tinha como Presidente Pedro Parente, optou por alinhar os preços domésticos dos derivados de petróleo à flutuação do preço internacional do barril e a variação cambial.  Mesmo com o aumento da produtividade do petróleo brasileiro e diminuição nos custos de produção, o preço nas refinarias aumentou inúmeras vezes. Entre outubro de 2016 e março de 2021, a gasolina subiu 73,3%; o diesel, 54,8%; e o gás de cozinha encareceu 192%. Neste mesmo período a inflação ficou em 17,7%.

O resultado da falta de compromisso do governo com os trabalhadores e a população mais pobre, nos últimos anos, é evidente. Todos estes aumentos, provocados pela política de preços vigente, interferem diretamente nos gastos das famílias. O preço do petróleo incide até no preço dos alimentos, já que o valor do frete de transporte mais alto é repassado para o consumidor final. 

Qual seria a alternativa? Com a atuação da Petrobrás em toda a cadeia de produção, que vai da extração do petróleo no poço até o posto de gasolina, a melhor saída  seria o governo praticar os custos nacionais de produção, o que resultaria na diminuição dos preços dos combustíveis. Um país produtor não pode ficar a mercê do mercado internacional.

A situação pode piorar? O preço pode aumentar ainda mais com a venda das refinarias. Além de representar a perda de empregos e prejudicar a arrecadação de estados e municípios, diminuindo investimentos sociais,  a venda de refinarias faz com que os preços internos dos combustíveis sejam decididos por empresas estrangeiras que não possuem compromisso com a soberania nacional.

As recentes medidas de isenção fiscal implementadas pelo governo via MP 1.034/2021, com propósito de diminuir o preço do gás de cozinha e o diesel, têm efeito mais político, na tentativa de minar protestos dos caminhoneiros, que efetivo, já que não ataca o problema estrutural dos preços. Inclusive, para pagar estes incentivos, o Governo  elevou a  taxação de instituições financeiras, o que deve provocar aumento no preço do crédito, e retirou benefícios da indústria química, que causará prejuízo em muitas cadeias produtivas e gerará demissões.

A Petrobrás é uma empresa estatal com a missão de garantir os interesses da coletividade nacional, e não de atender a interesses de grupos privados, que operam em uma lógica de maximização do seu lucro.

Nossa luta é em defesa dos bancos públicos e das empresas públicas! #NãoDeixemVenderOBrasil