Pular para o conteúdo principal

Sindicato entra com ação na Justiça contra desconto da paralisação de 27 de abril

Imagem Destaque
Arte com o X do logo da Caixa à esquerda, o logo do Sindicato à direita e, ao centro, a mulher que simboliza a Justiça

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região entrou, no dia 3 de junho, com ação na Justiça contra os descontos que a direção da Caixa Econômica Federal efetuou nos salários dos bancários que aderiram à paralisação do dia 27 de abril. A gestão do banco considerou a paralisação como falta injustificada e, com isto, descontou o equivalente a três dias trabalhados.

Os bancários alertaram o Sindicato que o banco havia descontado um dia só, na folha de pagamento de abril. Mas na folha de maio, descontou os reflexos, referentes ao DSR (Descanso Semanal Remunerado).

O Sindicato já havia ingressado com ação pleiteando o dia que tinha sido descontado, referente a 27 de abril. Agora que virou a folha de pagamento e o banco descontou os reflexos, a entidade de defesa dos trabalhadores fez um aditivo na petição inicial para pedir a reversão também desta subtração.

A entidade também ingressou na Justiça para cobrar o pagamento correto da PLR Social, um dos motivos da paralisação de 27 de abril.

“Nós tentamos reverter em mesa de negociação este desconto, mas a intransigência e as práticas antissindicais da direção atual da Caixa nos obrigou a apelar para a Justiça a fim de exigir o respeito ao direito legítimo de greve.”

Tamara Siqueira, dirigente sindical e bancária da Caixa

A dirigente ressalta que o Sindicato só teve conhecimento de mais este desconto na folha de maio porque os bancários alertaram à entidade.

“A grande fonte de informação do Sindicato são os empregados, porque a gestão da Caixa não responde ofício da entidade, não repassa informação, e ainda desrespeita o direito legítimo de uma paralisação que seguiu todos os trâmites legais obrigatórios. Uma paralisação que teve forte adesão tanto dos bancários que trabalham presencialmente como dos que estão em home office.”

Tamara Siqueira, dirigente sindical e bancária da Caixa

Os bancários da Caixa seguem em estado de greve para cobrar da direção do banco pagamento correto da PLR social, vacinação já contra a covid-19, por mais contratações e em defesa da Caixa Econômica Federal.