Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Na pandemia

Caixa fornece álcool em gel de origem duvidosa a empregados e clientes

Movimento sindical cobrou a direção do banco, porém a resposta não foi convincente. Sindicato irá ajudar a Apcef-SP a providenciar a execução de outro laudo

  • Elenice Santos, Redação Spbancarios
  • Publicado em 22/07/2020 11:42 / Atualizado em 23/07/2020 11:07

Montagem: Fabiana Tamashiro

Denúncia recebida pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região revela qualidade e origem duvidosa do álcool em gel disponibilizado aos empregados e clientes pela Caixa para higienização das mãos em razão da pandemia de coronavírus.

Segundo a denúncia, a Caixa fez a compra de 3.940.000 litros de álcool em gel para atender suas unidades, em âmbito nacional, da empresa Wave Innovation Solutions do Brasil, com sede em Itajaí/SC.

A empresa já sofreu uma interdição cautelar em função de um lote de álcool 70 ter apresentado resultado “insatisfatório”. A análise foi feita pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) do Rio Grande do Sul, que concluiu que o produto continha entre 35,6% e 48,5% de teor de álcool etílico, contrariando resolução da ANVISA que prevê um mínimo de 70%.

O laudo apresentou, também, o mesmo resultado insatisfatório quanto ao aspecto, a rotulagem e o pH do produto.

As informações foram publicadas no Diário Oficial da União ( D.O.U. n°123) em 30 de junho e noticiam que o Ministério Público do Rio Grande do Sul recomendou o recolhimento do produto, em embalagens de 400ml, tanto no próprio estado quanto em Santa Catarina, sede da empresa.

Segundo o dirigente sindical André Sardão, empregado da Caixa, em São Paulo os lotes dos produtos não foram recolhidos e colocam em risco a vida e a saúde dos empregados, clientes e familiares pois não protegem do risco de contaminação. André lembra ainda o número de casos e mortes em São Paulo, entre eles alguns colegas bancários que perderam a vida para a Covid-19.

Sindicato lamenta morte de empregado da Caixa por Covid-19
Sindicato lamenta morte de terceirizado da Caixa
Sindicato lamenta morte de vigilante da Caixa por suspeita de Covid-19

"Em conversas com alguns empregados de pelo menos dez agências, as impressões são mesmo de que a qualidade é duvidosa, tanto que em boa parte dessas unidades o produto está sendo mais usado por clientes e terceirizados, e, em muitos casos, os próprios trabalhadores estão comprando seu próprio álcool por não confiarem na eficácia do produto", diz.

Ele ainda faz um alerta em relação ao armazenamento precário do produto, o que coloca ainda mais em risco a vida dos empregados, terceirizados e clientes da Caixa.

"Tem agência com mais de 60 galões de 5 litros estocados em suas dependências. Ou seja, mais de 300 litros de produto altamente inflamável, expondo pessoas a riscos reais de explosão e de incêndios, e a seus terríveis desdobramentos. São galões de 5 litros. E é dolorosamente óbvia a dificuldade de manejo. Chega a ser desolador o tamanho da irresponsabilidade da direção da Caixa com seus empregados e clientes", critica.

Contra prova

 

 

A Apcef-SP  e o Sindicato enviaram ofício, em 16 de julho, solicitando à Caixa esclarecimentos sobre a qualidade do álcool em gel e também a disponibilização da documentação da empresa que comprova a eficácia do produto que está sendo utilizado em São Paulo.

Em resposta, ainda no dia 16, a Caixa encaminhou diversos documentos atestando a qualidade do álcool em gel comprado pelo banco público, entre eles avaliação de atividade bactericida, relatório de análises e liberação de lote.

Entre os documentos há ainda um laudo do Instituto Nacional de Criminalística, de 11 de junho, no qual o perito criminal Breno de Carvalho e Silva, atendendo solicitação do gerente da Ceinp/Caixa, atesta que todos os lotes enviados para análise apresentam teor de etanol acima de 60%, que seria a concentração mínima considerada eficiente no combate ao SARS-CoV-2.

> Clique aqui para conferir o laudo do Instituto Nacional de Criminalística, o relatório liberação do lote, a avaliação da atividade bactericida e a resposta da empresa Wave Cleaner à Caixa.

"A Caixa deu uma resposta que pra nós foi insuficiente, e estamos coletando material.O Sindicato irá ajudar a Apcef-SP a providenciar a execução de outro laudo", finaliza André.

 



Voltar para o topo