Pular para o conteúdo principal

Não vote em candidatos que não defendem a Caixa!

Linha fina
Sindicato e Apcef/SP já fizeram manifestações em Osasco, Taboão, Carapicuíba, Barueri, Embú das Artes, Cotia e regiões de São Paulo com o objetivo de defender a Caixa 100% Pública. Entidades vão intensificar cobrança para que autoridades defendam a Caixa e se responsabilizem pelas pessoas nas filas
Imagem Destaque
Foto: Seeb/SP

O Sindicato e a Apcef/SP estão realizando manifestações em agências de diversas cidades para defender a Caixa 100% Pública, contra a MP 995, por mais contratações, em defesa de melhores condições de trabalho para os empregados, e pela continuidade do pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 enquanto durar a pandemia. As atividades já passaram por Osasco, Taboão da Serra, Carapicuíba, Barueri, Embu das Artes, Cotia, todas as regiões de São Paulo, e contemplarão todas as cidades da base de atuação do Sindicato. Em virtude das enormes filas formadas na frente das agências, as entidades também vão intensificar a cobrança para que autoridades municipais defendam a Caixa 100% Pública e se responsabilizem pela segurança e bem estar da população nas filas das unidades.

Sindicato e Apcef/SP enviaram ofício às prefeituras da base de atuação do Sindicato cobrando estrutura mínima para que seja respeitado o distanciamento social e para que a população não fique exposta as intempéries climáticas, além da instalação de banheiros químicos e torneiras. “São medidas necessárias e urgentes para proteger a população e os empregados da Caixa em meio à pandemia, assim como proporcionar o mínimo conforto para as pessoas que dependem da Caixa para receber o auxílio emergencial e outros benefícios sociais”, avalia Leonardo Quadros, diretor da Apcef/SP. 

População na defesa da Caixa 100% Pública 

“Recebemos um enorme apoio da população em cada cidade por onde passamos, que na maioria das vezes aguardava atendimento em uma grande fila que se formava do lado de fora da agência, resultado da queda no número de empregados, o que impacta ainda mais no atendimento neste momento de crise sanitária e econômica, no qual a população conta exclusivamente com a Caixa para receber o auxílio emergencial, além de outros benefícios sociais como, por exemplo, o Bolsa Família.  A Caixa, que em 2014 chegou a ter mais de 101 mil empregados, fechou o ano de 2019 com apenas 84.006”, destaca o diretor do Sindicato e empregado da Caixa, Dionísio Reis. 

Com a proximidade das eleições municipais, o dirigente alerta que é necessário eleger prefeitos e vereadores que valorizem e defendam o papel social da Caixa 100% Pública. 

“A Caixa é fundamental para os municípios. Ela está em locais nos quais os bancos privados não tem interesse em atuar. É ela a responsável por pagar o auxílio emergencial, que garantiu renda para a população durante a pandemia e injetou milhões nos municípios, evitando assim que milhares de empresas quebrassem. A Caixa é o banco do Bolsa Família, do crédito imobiliário, do Minha Casa Minha Vida, do FGTS, do seguro-desemprego. Por isso, é de fundamental importância eleger candidatos que reconheçam a importância e defendam a Caixa 100% Pública, assim como seu papel social”, destaca Dionísio. 

Cotia

Na quarta-feira 14, Sindicato e Apcef/SP realizaram manifestação em uma unidade da Caixa em Cotia, na qual já foi registrado caso de Covid-19 entre os empregados. No ato, dirigentes das entidades conversaram com a população sobre este papel fundamental da Caixa no município; alertaram para a ameaça representada pela Medida Provisória 995 (MP995), que permite o fatiamento e a consequente privatização da Caixa; cobraram respeito e melhores condições de trabalho para os empregados do banco público; e mais contratações. 

Em Cotia, onde conta com três agências, a Caixa é responsável por 92% do crédito imobiliário (maio/2020). Além disso, apenas entre abril e julho deste ano, os empregados da Caixa foram responsáveis pela operação que repassou R$ 132 milhões em auxílio emergencial na cidade e, em 2019, atenderam 4.975 famílias beneficiadas pelo Bolsa Família, o que injetou mais de R$ 4 milhões em Cotia.

“Em Cotia, mais uma vez, encontramos uma grande fila de pessoas no lado de fora da agência, sob sol forte, sem qualquer apoio das autoridades municipais. E, mais uma vez, recebemos total apoio destas pessoas nas nossas reivindicações. A nossa luta, que não é só uma luta dos empregados da Caixa, e sim de toda a sociedade, é a defesa Caixa 100% Pública, contra a MP 995 do governo Bolsonaro, por mais contratações e melhores condições de trabalho, assim como pela manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia. Ou seja, é uma luta para que a Caixa, através dos seus empregados, tenha as condições necessárias para cumprir o seu importante papel social, promovendo renda, emprego e desenvolvimento para a população brasileira”, conclui Leonardo Quadros. 

 
Arquivos anexos
Anexo Size
Cartaz: Osasco precisa da Caixa! (140.72 KB) 140.72 KB
Cartaz: Taboão da Serra precisa da Caixa! (142.59 KB) 142.59 KB
Cartaz: Carapicuíba precisa da Caixa! (141.72 KB) 141.72 KB
Cartaz: Barueri precisa da Caixa! (140.68 KB) 140.68 KB
Cartaz: Embu das Artes precisa da Caixa! (142.04 KB) 142.04 KB
Cartaz: Cotia precisa da Caixa! (141.38 KB) 141.38 KB
Cartaz: São Paulo precisa da Caixa! (140.87 KB) 140.87 KB
Ofício para os municípios (720.48 KB) 720.48 KB