Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Exploração

Pressão, sobrecarga e adoecimento com a falta de funcionários no Bradesco

Trabalhadores têm denunciado ao Sindicato intensas cobranças de metas, incentivo à concorrência dentro do banco e assédio moral

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 05/03/2018 12:42 / Atualizado em 05/03/2018 13:18

Foto: Mauricio Morais

São Paulo – A falta de funcionários no Bradesco tem causado muita pressão, sobrecarga e, consequentemente, adoecimento de bancários, de caixas a gerentes administrativos. Ao Sindicato, os trabalhadores têm denunciado intensas cobranças de metas, incentivo à concorrência dentro do banco e assédio moral. A situação ficou ainda mais dramática após o PDVE (Plano de Desligamento Voluntário Especial), pois os funcionários que o banco alega estar contratando ainda não chegaram às agências.

Bradesco lucra R$ 19 bilhões e elimina 9,9 mil postos de trabalho em 2017

Os caixas, por exemplo, são obrigados a realizar procedimentos e transações que fogem de suas funções, inclusive atender ao telefone, o que acaba levando a riscos tanto para bancários quanto para clientes.

“O fato de atender ao telefone (durante o atendimento) traz um enorme risco para o cliente final, no sentido dele pensar que estamos passando alguma informação quando ele efetua um saque ou um depósito de uma alta quantia em dinheiro”, relata um bancário.

“Os supervisores fazem sobrecarga sobre nós e acabamos passando mais tempo no ambiente de trabalho do que na nossa própria casa... E acabamos cedendo à pressão, com medo de perder o emprego”, diz um outro bancário.

“O bancário é colocado numa espécie da arena romana. Muitas vezes, devido à situação, isso acaba estimulando assédio moral e conflito entre os próprios companheiros de trabalho”, ressalta o dirigente sindical Marcos Amaral, o Marquinhos.

 

 

> Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Bradesco

Denuncie – O bancário assediado moralmente, que receber cobrança via WhatsApp ou que for prejudicado por conta da pressão excessiva, deve denunciar ao Sindicato diretamente a um dirigente sindical, pelo canal Assuma o Controle, pelo Whatsapp da entidade (11 97593-7749), ou por meio da Central de Atendimento (3188-5200). O sigilo é absoluto.



Voltar para o topo