Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Mau atendimento

Reclamações crescem ao passo que agências diminuem

Linha fina
Aumento do número de queixas de clientes do Banco do Brasil está diretamente relacionado ao fechamento de agências; ainda assim, presidente do banco fala em "ano do atendimento"
Imagem Destaque
Foto: Arquivo / Seeb-SP

São Paulo – Com a reestruturação do Banco do Brasil no final de 2016, que resultou no fechamento de postos de trabalho, diminuição das comissões e deixou inúmeros funcionários com perdas salariais que chegaram a até 60%, a direção do banco não respeitou aqueles que ajudaram a construir a empresa.

Essa situação que atingiu os funcionários não parou por aí. O BB vem investindo de forma rápida e atrapalhada na ampliação dos escritórios digitais. A novidade agora é a situação dos funcionários que perderam a carteira de clientes na última rodada de carteiras, e agora têm de bater de porta em porta para conseguir uma nova posição dentro da própria empresa. O desrespeito é tanto que muitos gerentes regionais disseram que os funcionários seriam reaproveitados nas carteiras digitais respeitando a última função de atendimento, mas isso não vem de fato acontecendo.

“O que temos visto na verdade é a gerência média correndo atrás de manter seu salário, seja ficando na PF ou mudando para PJ e vice e versa. Os escritórios digitais já estão com cartas marcadas: antes mesmo de abrir a seleção, ela já foi feita. Mesmo a Dipes sempre dizendo que não era momento de ‘acerto de contas’, no final o que vimos é o famoso ‘quem indica’”, denuncia o diretor executivo do Sindicato e integrante da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB João Fukunaga (foto).

João Fukunaga: 'A quem interessa destruir a imagem forte do BB?'

Ano do Atendimento - Diante desse cenário caótico, o presidente do BB Paulo Cafarelli soltou um comunicado interno no qual afirmou que 2017 será o “ano do atendimento” para a instituição. Entretanto, os esforços da gestão do banco vão em sentido contrário, principalmente com desrespeito aos funcionários.

Segundo levantamento realizado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o número de reclamações de clientes do BB junto ao Banco Central está relacionado à redução do número de agências praticada pela gestão do banco. O Dieese aponta que houve um aumento de 46% no total de reclamações de clientes entre o 1º semestre de 2015, quando foram registradas 12.246 reclamações, até o 1º semestre de 2017, com 17.889 ocorrências. No mesmo período, houve uma redução na média semestral de 5.541 agências para 4.943, o que representa uma variação de -11%.

“Estes dados são consequência da estratégia do fechamento de agências em prol do modelo digital. Além disso, podemos somar a falta de funcionários nas agências e a transformações de muitas em Posto de Atendimento, assim como a alta demanda no SAC para assistentes e atendentes. Tudo isso tem prejudicado diretamente o setor de atendimento, o que gera um prejuízo à imagem do BB perante a sociedade." afirma o dirigente sindical.

> Funcionários do BB definem pauta em Congresso Nacional 
> Congresso do BB: defesa do banco público, empregos e direitos

A sobrecarga de trabalho vem comprometendo a qualidade do atendimento. Os dados registrados no Banco Central apontam que a reclamação com maior incidência é justamente a de “insatisfação com o atendimento prestado por agências”. Ao todo, foram 9.171 ocorrências, o que representa 12% das reclamações de clientes do BB entre 2015 e 2017.

> Cartilha mostra a importância dos bancos públicos para o país
> Teste seus conhecimentos: você sabe a importância dos bancos públicos?

"É mais uma face do desmonte do banco público, então é importante questionar: qual o papel do banco público? A quem interessa destruir a imagem forte do BB?”, questiona o dirigente Joao Fukunaga.