Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Assédio

Direção deixa empregados sem informação e sem realocação

Banco tem praticado assédio sistemático contra empregados e forçando que muitos deles permaneçam com as mesmas atribuições, mas ganhando menos

  • William De Lucca, redação Spbancários
  • Publicado em 06/03/2020 15:52 / Atualizado em 10/03/2020 17:21

Foto: Freepik

Como se não bastasse impor um processo de reestruturação sem dialogar com os empregados, a Caixa Econômica Federal tem promovido todo tipo de assédio moral para com os trabalhadores por conta das mudanças impostas.

Muitos gerentes de carteira, por exemplo, ainda não tiveram realocação e a direção quer passar a eles a responsabilidade de escolher entre não saber pra onde vai ou pedir descesso, ganhando cerca de 40% menos ficando no mesmo local e fazendo, na prática, o mesmo trabalho.

"Há empregados adoecendo e sofrendo toda sorte de abusos durante o processo de reestruturação", denuncia a dirigente sindical Tamara Siqueira.

Ela conta ainda que há áreas sendo extintas, ausência de cronogramas com prazos para as etapas e falta de transparência nas movimentações, além de gestores ignorando os critérios definidos pela própria Caixa para seleção de pessoas e tentando promover profissionais que sequer estão nessa onda. 

Hoje, os recém definidos Sevs se reuniram para tentar realocar as pessoas que ainda não tiveram seu destino definido, como gerentes Gov e gerentes de canais e adimplência até então lotados nas superintendências pois o banco quer encerrar às pressas essa primeira rodada. 

Reestruturação: veja orientações do Sindicato

Justiça marca nova audiência para tratar de reestruturação da Caixa

“É importante procurar o sindicato nestes casos ou em qualquer situação em que o trabalhador se sinta prejudicado, pois o descesso por exemplo, sempre foi uma prerrogativa do próprio profissional para se realocar ou até rever sua carreira. Agora a Caixa coloca como opção ante a retirada de função.” completa a dirigente.

 

 

Denuncie!

O Sindicato possui um canal de denúncia contra o assédio moral, que prevê apuração pelo banco, e prazo para que a instituição financeira dê uma resposta para a denúncia. A identidade do denunciante é mantida em sigilo. Caso preferir, relate o caso no formulário abaixo para que possamos entrar em contato com você.



Voltar para o topo