Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Negociação

Sindicato e Fenaban voltam a debater o agravamento da pandemia

Linha fina
A expectativa é de que os representantes dos bancos apresentem respostas às reivindicações do movimento sindical para oferecer maior proteção à categoria
Imagem Destaque
Imagem: freepik

O Sindicato, juntamente com demais entidades representativas da categoria, reunidas no Comando Nacional dos Bancário, volta a se reunir nesta quinta-feira 11, às 15h30, com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) para cobrar medidas que protejam a categoria e a população contra o agravamento da pandemia de coronavírus.

A expectativa é de que os representantes da Fenaban respondam às reivindicações do movimento sindical, apresentadas na reunião passada. Entre elas, mais rigor nos protocolos de segurança, manutenção e ampliação do teletrabalho, suspensão das demissões, testagem na categoria, redução das metas e no horário de atendimento e somente atendimentos essenciais nas agências.

“Estamos no pior momento da pandemia, com recordes quase diários de óbitos e novos casos, e a vacinação segue em ritmo muito lento. A gravidade da situação exige que os bancos priorizem a proteção dos bancários e da população. A prioridade deve ser a vida”, enfatiza a presidenta do Sindicato, Ivone Silva. 

> Sindicato reivindica redução do horário de atendimento nas agências

> Sindicato cobra dos bancos que não aumentem metas na pandemia

Pandemia avança

A pandemia de Covid-19 segue em crescimento descontrolado no país. Na terça-feira 9, o Brasil voltou a bater recorde de óbitos em 24h, com 1.972 vítimas da doença. Com isso, já são 268.370 mortes desde o início da pandemia, em março do ano passado. O balanço da terça-feira também apontou um total de 70.764 novos casos, sem levar em conta a subnotificação. Desde março, 11.122.429 brasileiros já foram contaminados. 

As médias móveis diárias de novos casos e óbitos por Covid-19, calculadas com base nos últimos sete dias, também seguem crescendo, superando o pior momento até então da pandemia, que foi registrado entre julho e agosto de 2020.