Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Prévia da consulta

Bancários não votam em quem aprovou reforma trabalhista

Linha fina
Análise preliminar dos dados da consulta aos bancários do estado de São Paulo mostra que 69% rejeitam deputados e senadores que aprovaram a lei 13.467/2017
Imagem Destaque
Arte: Freepick

Durante a 20ª Conferência Estadual dos Bancários de São Paulo, a Fetec-CUT/SP apresentou uma análise prévia dos dados da consulta às bases dos sindicatos de bancários do estado. Até o momento, 9.500 trabalhadores haviam respondido ao questionário. A maioria apontou que não apoiará, nas eleições de outubro deste ano, candidatos que votam contra os direitos dos trabalhadores. Os bancários apontaram ainda que a manutenção da política de aumento real continua sendo muito importante.

A pesquisa foi apresentada pelo secretário de Formação da FETEC/SP, Isane Pereira da Silva, responsável pela sistematização dos resultados.

As três prioridades dos bancários, segundo o levantamento são:
- Aumento real (23%);
- Manutenção de direitos (19%);
- Garantia de emprego (15%).

Um tema relevante para a categoria é a defesa contra o sucateamento e a privatização dos bancos públicos. Para 78% dos ouvidos o tema é muito importante e para 17% é importante.

Os dados mostram ainda que, para 63% da categoria, a reforma trabalhista é considerada péssima para o trabalhador. A pesquisa indicou também que 69% da categoria não irá votar em deputados que apoiaram a reforma trabalhista (lei 13.467/2017).

> Veja os deputados de SP que traíram o povo brasileiro
> Veja os senadores coveiros da CLT e nunca mais vote neles

Outros dados indicados no levantamento são que, para 95% dos entrevistados, é muito importante ou importante eleger representantes comprometidos com a pauta dos trabalhadores, mesmo índice que é contra a terceirização irrestrita na categoria.

Para 90% dos bancários é fundamental que haja democratização da mídia, com o fim do monopólio midiático. 70% deseja receber informações sobre a categoria, preferencialmente via WhatsApp, meio escolhido por 30%, na sequencia vem o jornal do sindicato com 28%.

“A consulta que realizamos possibilitou ouvir a base para a definição das metas e estratégias da campanha 2018”, ressaltou o Secretário Geral da FETEC-CUT/SP, Eric Nilson.