Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Protesto

No Dia do Trabalhador, bancários fazem carreatas por vacinas e direitos

Imagem Destaque
Carreata dos trabalhadores no dia primeiro de maio

Neste 1º de maio, Dia do Trabalhador, profissionais de diversas categorias saíram às ruas em carreata em protesto pela vacinação em massa contra a covid-19 e contra os desmandos do governo Bolsonaro. Em São Paulo, a categoria bancária e o Sindicato estiveram unidos cobrando também o fim dos ataques aos bancos públicos, por melhores condições de trabalho na pandemia e o fim das demissões, dentre outras pautas.

Em São Paulo, as carreatas saíram de seis diferentes partes da zona leste. Também foram realizados protestos nas zonas sul, oeste, norte e região central da capital paulista. Na zona oeste, o ponto de concentração da carreata também foi palco de uma ação de doação de alimentos não perecíveis para famílias necessitadas. As mobilizações foram convocadas pela CUT e demais centrais sindicais, e tiveram grande adesão da categoria bancária.

“Hoje foi um importante dia de luta, no qual estivemos unidos em defesa da vida, com vacina para todos, defesa dos SUS e melhores condições de trabalho para os bancários, o que implica diretamente em melhoria no atendimento à população, que tanto necessita do serviço essencial que prestamos”, destacou a presidenta do Sindicato, Ivone Silva. “O atual governo promove o desmonte dos bancos públicos, com o fechamento de agências, redução de funcionários, privatização de setores dos bancos. A população cobra a redução das taxas de juros e exige que o país aumente a geração de emprego e volte a crescer”, completou.

Paralelamente às manifestações de rua, também foi realizado um tuitaço. Com a Hashtag #1M2021PelaVida, trabalhadores expuseram sua opinião, promovendo um grande debate no Twitter sobre as diferentes demandas deste 1º de Maio.

“Defender o patrimônio público para servir os interesses do povo trabalhador é uma disputa que precisamos ganhar”, tweetou a secretária-geral do Sindicato, Neiva Ribeiro.

Veja outras publicações:

Arte contra os retrocessos

À tarde, foi a vez de artistas se unirem na Live do Trabalhador, levando mensagem de esperança e resistência. Nomes como Chico César, Elza Soares, Johnny Hooker, Teresa Cristina, Marcelo Jeneci, Ellen Oléria, Paulo Betti, Bia Ferreira e outros se uniram em um festival virtual transmitido pela TVT, redes sociais da CUT e outros canais.