Banco do Brasil

Cassi: Diretor eleito vota pelo aumento da coparticipação

Mais uma vez um integrante da chapa eleita, a Mais União, mostrou estar comprometido com os interesses do banco e não com os associados que o elegeram; Medida é inócua para solucionar déficit da caixa de assistência

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 28/06/2018 17:53 / Atualizado em 04/07/2018 17:51

Charge: Marcio Baraldi

Virou rotina. Mais uma vez um integrante da chapa eleita na Cassi, a Mais União, mostrou que o seu comprometimento é com os interesses do banco, e não com os associados que o elegeram. Após o presidente eleito do Conselho Deliberativo rasgar o regimento interno ao votar junto com o BB e à revelia dos associados, o diretor de Saúde e Rede de Atendimento,  Luiz Satoru, se alinhou com o banco e votou pelo aumento da coparticipação: 30% para 40% em consultas, psicoterapia, acupuntura e de 10% para 20% em exames.

Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Banco do Brasil
> Faça a sua sindicalização e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

A coparticipação e sua gestão dependem da Diretoria de Planos da Cassi, cujo titular eleito, Humberto Almeida, manifestou na reunião da diretoria sua enfática posição contrária ao aumento.

“Satoru, alinhado com o discurso terrorista do BB, apunhalou pelas costas os associados da Cassi. Aumentar a coparticipação, além de lesar o associado no momento que ele busca tratamento, é uma medida inócua para solucionar o déficit da Cassi. A coparticipação foi criada pelo banco para inibir o excesso de exames não retirados pelos bancários e como uma forma educativa de utilização. Porém, de lá para cá a utilização de exames não só não caiu, como aumentou, conforme relatório do próprio banco”, critica o diretor de Assuntos Jurídicos do Sindicato e funcionário do BB, João Fukunaga.

Por conquista dos associados, a cobrança da coparticipação é limitada a 1/24 avos do salário, uma forma de não prejudicar os trabalhadores com menores remunerações. Entretanto, o banco alegou que nessa cobrança somente a primeira parcela é cobrada respeitando o teto de 1/24 avos. O interessante é que o responsável pelo arquivo de cobrança é o diretor de Administração e Finanças, indicado do BB. “Quem não fez a lição de casa de se cobrar o restante do valor e vem prejudicando a Cassi é o próprio banco, mas ele quer repassar essa conta apenas para o associado, aumentando os valores da coparticipação”, avalia João

>Boletim escancara falta de seriedade do BB com a Cassi
>Banco foge da mesa de negociação com entidades representativas dos funcionários

“Além disso, o aumento da coparticipação afasta o associado da Estratégia Saúde da Família, já que o programa solicita uma série de exames para mapear a saúde do associado e assim atuar preventivamente, o que comprovadamente reduz custos para a Cassi. O aumento da coparticipação inclusive contraria o relatório da consultoria Accenture, que atestou a importância do programa Estratégia Saúde da Família como forma de diminuir despesas e promover a sustentabilidade da caixa de assistência”, acrescenta João, reforçando ainda que o banco já havia tentado aumentar a coparticipação em 2015, quando a medida foi barrada pelos diretores eleitos e apoiados pelo movimento sindical Wiliam Mendes e Mirian Fochi.

De acordo com o dirigente, o aumento da coparticipação prejudicará sobretudo os associados com mais idade.

“Satoru, além de votar contra os associados que o elegeram, ignora que medidas como o aumento da coparticipação interferem diretamente na saúde das pessoas, afastando-as do tratamento que necessitam. Idosos, que possuem uma necessidade maior de exames periódicos serão os mais prejudicados. Os debates e votos no âmbito da Cassi escancaram quem está ao lado dos trabalhadores e quem defende apenas os interesses do banco. Quem está com os associados, votou contra esse absurdo aumento da coparticipação”, conclui João.

> BB e Chapa Mais União se articulam na Cassi
> Cassi: eleita renuncia para fazer carreira



Voltar para o topo