Saúde do Trabalhador

Pesquisa quer saber opinião de bancários sobre trabalho em plataformas digitais

Pioneiro, levantamento tem por objetivo investigar patologias que acometem os trabalhadores do setor e subsidiar políticas e práticas sindicais e institucionais de prevenção às doenças

  • Redação Spbancarios, com informações do Sindicato dos Bancários de Brasília
  • Publicado em 03/07/2019 17:46 / Atualizado em 03/07/2019 19:00

Foto: Freepik

Uma pesquisa realizada pelo Laboratório de Psicodinâmica e Clínica do Trabalho da Universidade de Brasília (UnB), em parceria com o Sindicato dos Bancários de Brasília, quer saber a opinião de bancários de todo o Brasil sobre trabalho em plataformas digitais. Pioneiro, o levantamento tem por objetivo investigar patologias que acometem os trabalhadores do setor e subsidiar políticas e práticas sindicais e institucionais de prevenção às doenças.

Seminário no Sindicato discutiu tecnologia e precarização do trabalho
Os infoproletários, a tecnologia e a uberização do trabalho
‘Não existe empreendedorismo, mas gestão da sobrevivência’, diz pesquisadora

O anonimato dos participantes é garantido. Para responder a pesquisa, o bancário tem de acessar este link e preencher um formulário, o que leva em torno de 15 minutos. Os dados serão analisados coletivamente, não sendo possível a identificação dos respondentes, e divulgados em forma de artigo científico a ser publicado em 2019/2020.

Para a professora Ana Magnólia, do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho da UnB, o sofrimento e adoecimento dos trabalhadores são causados pela organização do trabalho, que visa o lucro acima de tudo e de todos.

“Sabemos que uma pesquisa não é a solução para as causas do adoecimento pelo trabalho, mas é um passo fundamental para dar visibilidade a esta modalidade de organização do trabalho – em plataforma digital – que tem gerado muitas queixas dos trabalhadores, sofrimento e afastamentos. Assim, sua resposta é uma oportunidade para identificar esses riscos e construir coletivamente estratégias de luta para prevenção e promoção da saúde do trabalhador, que tem se agravado intensamente”, esclarece. 

Além de ações de prevenção às LER/Dort (Lesões por Esforço Repetitivo e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) e ao adoecimento mental, a pesquisa também deve subsidiar campanhas contra o assédio moral e o suicídio. 

 

 



Voltar para o topo