Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Vitória

Sindicato cobrou e Caixa pagou PLR na terça 3

Após cobrança em mesa de negociação permanente, banco público, que poderia pagar PLR e PLR Social até dia 30, antecipou o crédito e pagou na terça-feira 3

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 03/09/2019 12:17 / Atualizado em 04/09/2019 10:33

Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas

Após cobrança da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), em mesa de negociação permanente realizada no dia 27 de agosto, para que a Caixa antecipasse o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), o banco público anunciou que atenderia a reivindicação, e creditou aos empregados a primeira parcela da PLR, assim como a PLR Social, nesta terça-feira 3. O banco havia anunciado que pagaria até 30 de setembro. 

> Ainda não é sócio? Sindicalize-se, fortaleça a luta da categoria e ainda concorra a prêmios

“A antecipação do pagamento da primeira parcela da PLR e da PLR Social é resultado direto da cobrança que a CEE/Caixa fez na mesa permanente de negociação. O pagamento é uma justa valorização dos trabalhadores que construíram dia a dia o lucro da Caixa, assim como seu importante papel social para o país enquanto banco público”, diz o diretor do Sindicato e coordenador da CEE/Caixa, Dionísio Reis.   

PLR e PLR Social

A PLR na Caixa é composta, além da regra básica e da parcela adicional previstas na CCT da categoria (módulo Fenaban), pela PLR Social, conquista dos empregados na campanha de 2010. A PLR Social é a distribuição linear de 4% do lucro líquido a todos os empregados. Na Caixa, é antecipado 50% do valor da PLR na primeira parcela (levando a projeção de lucro em consideração).

Aumento real

A primeira parcela da PLR 2019 virá com correção da inflação (no período entre 1º de setembro de 2018 e 31 de agosto de 2019), mais 1% de aumento real. 

“O aumento real de 1% em 2019, para salários e demais verbas como a PLR, foi uma conquista da mobilização da categoria na nossa Campanha Nacional 2018 que, em cenário desfavorável com a aprovação da reforma trabalhista, garantiu também todos os direitos previstos na CCT”, conclui Dionísio. 

 

 

 



Voltar para o topo