Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Santander

Em outubro, alguns exames ginecológicos estão isentos de coparticipação

Por ocasião do Outubro Rosa, Santander isentou de coparticipação no plano de saúde de suas funcionárias exames de papanicolau, mamografia e ultrossonagrafia de mamas

  • Redação Spbancarios,com informações do Inca
  • Publicado em 04/10/2019 16:40 / Atualizado em 04/10/2019 16:41

Foto: eliandro_anjos93/Pixabay

Por ocasião do Outubro Rosa - campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama – o Santander isentou durante o mês de outubro, no plano de saúde das suas funcionárias, que correspondem a 59% do quadro de trabalhadores do banco espanhol no Brasil, a cobrança de coparticipação nos exames de papanicolau, mamografia e ultrossonagrafia de mamas.

Sindicalize-se e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

“Uma das reivindicações antigas do movimento sindical é que o banco reduza o custo do plano de Saúde e estabeleça um teto nas cobranças, principalmente da coparticipação. Portanto, a isenção de coparticipação nesses exames durante o Outubro Rosa - uma forma de incentivar o autocuidado, a prevenção e o diagnóstico precoce entre as bancárias – é uma iniciativa muito bem vinda”, avalia a dirigente sindical e bancária do Santander Wanessa Queiroz. 

“Caso alguma bancária ou bancário esteja passando por tratamento de câncer ou outra doença crônica, ela pode acionar, em qualquer momento do ano, o RH ou o PAPE para ter apoio psicológico e social”, orienta Wanessa.   

Números da doença

Segundo levantamento realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Brasil somará aproximadamente 60 mil novos casos de câncer de mama em 2019. Este tumor é o mais incidente entre as mulheres depois do câncer de pele-não melanoma.

A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 (PNS), a mais recente disponível no Brasil, aponta que 3,8 milhões de mulheres de 50 a 69 anos nunca realizaram mamografia, o que corresponde a 18,4% da população feminina nessa faixa etária. O maior índice entre as regiões é no Norte (37,8%), contra 11,9% do Sudeste, que tem a menor taxa.

A importância do diagnóstico precoce

Quando diagnosticado no início, 95% dos casos o câncer de mama tem possibilidade de cura.

 

 

É importante que mulheres fiquem atentas a qualquer alteração na mama. Quando a mulher conhece bem suas mamas e se familiariza com o que é normal para ela, pode estar atenta a essas alterações e buscar o serviço de saúde para investigação diagnóstica. A orientação atual é que a mulher faça a observação e a autoexame das mamas sempre que se sentir confortável (no banho, momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano).

Além disso, a recomendação para mulheres com 40 anos ou mais é a realização, anual, de exame clínico das mamas e mamografia. Para mulheres de risco elevado, que significa ter história familiar de câncer de mama em pelo menos um parente de primeiro grau antes dos 50 anos, a recomendação é realizar o exame clínico das mamas e a mamografia anualmente a partir dos 35 anos.

Prevenção

Hábitos saudáveis podem reduzir em até 28% o risco de uma mulher desenvolver câncer de mama. Entre eles estão:

  • Praticar atividade física regularmente;
  • Alimentar-se de forma saudável;
  • Não fumar;
  • Ter o peso corporal adequado;
  • Não ingerir bebidas alcoólicas;
  • Evitar uso de hormônios sintéticos em altas doses.


Voltar para o topo