Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Conquista

Sindicato reintegra bancária grávida demitida pelo Santander na pandemia 

Linha fina
Após confirmar a gestação, a trabalhadora procurou o Sindicato, que entrou em contato com o banco e conseguiu anular a demissão por meio de negociação; contudo, instituição financeira ainda tentou propor um acordo para manter a dispensa
Imagem Destaque
Foto: Freepik

O Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região conseguiu a reintegração de uma bancária demitida pelo Santander mesmo estando grávida e em plena pandemia causada pelo coronavírus. A trabalhadora foi dispensada em setembro e descobriu sua gravidez 20 dias após a dispensa. 

Sindicalize-se e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

“Após confirmação da gravidez, ela procurou o Sindicato, que entrou em contato com o banco e conseguiu anular a demissão por meio de negociação”, relata o dirigente sindical e bancário do Santander Antônio Bugiga.  

Segundo o artigo 10, inciso II, alínea "b", do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição (ADCT), uma gestante não pode ser demitida já a partir do momento em que a gravidez está confirmada até cinco meses após o parto. 

A bancária foi reintegrada oficialmente nesta terça-feira 1º de dezembro. Ela assumiu suas funções no atendimento ao cliente (SAC), área atualmente lotada no Bloco I do Radar. 

Como a bancária é considerada do grupo de risco para a covid-19 por estar gestante, não poderá retornar para o trabalho presencial e exercerá suas atividades profissionais em home office. 

Contudo, o Santander ainda propôs um acordo para que a bancária não fosse reintegrada. “Uma atitude que reforça a insensibilidade da empresa com uma trabalhadora grávida”, lamenta Bugiga.  

Este não é o primeiro caso semelhante, em que o banco sugeriu um acordo a fim de evitar a reintegração de uma trabalhadora demitida na gravidez.   

“Este é o método Santander de fazer gestão de pessoas: sensibilidade zero, respeito zero. Sabemos que um acordo pode ser proposto e até aceito, mas no momento da reintegração, quando a trabalhadora está preocupada com o convênio médico e com exames para serem realizados é absurdo até mesmo para uma empresa como o Santander Brasil, que não é exatamente conhecida pelo respeito aos seus empregados”, conclui o dirigente. 

Procure o Sindicato

> Está com um problema no seu local de trabalho ou seu banco não está cumprindo o acordado? CLIQUE AQUI e deixe seu contato que vamos te ligar 

> Central de Atendimento - você pode falar conosco via chat  ou solicitação via formulário 

> Redes Sociais - nossos canais no Facebook e Twitter estão abertos, compartilhando informações do Sindicato e de interesse da sociedade sobre a pandemia.

> Quer receber notícias sobre o seu banco? Cadastre-se em nossa newsletter e receba em seu e-mail.