Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Caixa

Direção, respeite os empregados!

Sindicato cobra negociação, respostas sobre as dúvidas da reestruturação e que direito dos trabalhadores seja respeitado

  • William De Lucca, Redação Spbancarios
  • Publicado em 19/02/2020 11:25 / Atualizado em 21/02/2020 16:26

Foto: Arquivo / Seeb-SP

Em ofício enviado à direção da Caixa Econômica Federal nesta terça-feira (18), a Contraf-CUT cobrou a retomada das negociações acerca da reestruturação apresentada. No documento, a entidade, junto da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), pede que o banco forneça dados sobre a reestruturação como gabaritos, números de empregados, funções e unidades envolvidas na reestruturação, separados por região, número de previsão de dispensa das funções, de incorporação, por exemplo.

“Recebemos muitas reclamações sobre este processo de realocação de trabalhadores e por isso ele deve ser acompanhado localmente pelas entidades junto às gerências regionais. Devem ser garantidos os direitos dos trabalhadores, entre eles o de, no caso do descomissionamento, tenha incorporação da gratificação de função”, explica Dionísio Reis, dirigente sindical e coordenador da CEE/Caixa.

> Não sofra calado: denuncie assédio na reestruturação
Caixa: empregados reagem à ameaça com luta

Por conta disso, o documento enviado ao banco pede que seja retomado o debate com as entidades sindicais sobre a reestruturação e que a mesma esteja suspensa até que as instabilidades no sistema disponibilizado pela Caixa estejam resolvidas.

Também é solicitado o compromisso de que não haverá discriminação e prejuízos àqueles que são beneficiários de ação judicial, bem como daqueles que são reg/replan não saldado, e ainda que haja a incorporação das respectivas gratificações de funções, para os dispensados das funções.

O que você tem a ver com os bancos públicos?

“Outros pontos importantes têm a ver com a garantia de que os empregados não sejam transferidos dos seus municípios, que eles tenham a manutenção das funções e lotação dos empregados em férias, licença-maternidade, doença ou acidente de trabalho, e ainda acompanhamento médico, principalmente psicológico e psiquiátrico, aos empregados reestruturados”,  completa Dionísio.

Prazos

 

 

Após a liminar que estabeleceu a suspensão da reestruturação, concedida a pedido da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), na última sexta-feira (17), o banco reabriu nesta segunda-feira (17), o processo de movimentação com o prazo final para o dia 2 de março.

A CEE/Caixa orienta os empregados que sofrerem pressão ou assédio de qualquer tipo durante o processo a procurarem seus sindicatos e denunciarem.

A Contraf-CUT informa ainda que permanece aberta à negociação, reforçando o entendimento referente à clausula 48 do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) 2018/2020.



Voltar para o topo