Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Em Defesa da vida

Crescimento exponencial de mortes por covid-19 na Caixa

Linha fina
Desde o início da pandemia, 27 empregados morreram vítimas de coronavírus, 8 deles somente em janeiro deste ano. Sindicato exige respeito à vida dos trabalhadores, reforço dos protocolos, ampliação do home office e fim da cobrança absurda de metas
Imagem Destaque

Somente em janeiro deste ano, oito empregados da Caixa morreram vítimas da covid-19 no país, ante 19 mortes registradas entre os trabalhadores do banco em 2020. Desde o início da pandemia, segundo levantamento do movimento sindical, o número de casos confirmados entre os empregados chegou a mais de 7.900, uma contaminação de 9,7% dos trabalhadores.

> Sindicato cobra da Fenaban reforço do home office e de medidas contra o coronavírus
> Vacina gratuita para todos os brasileiros já!

Com o aumento expressivo no número de mortes pela covid-19 entre os trabalhadores (e também no país), o Sindicato exige da direção da Caixa o reforço no protocolo de Covid nas agências e departamentos, a ampliação do home office e o fim da cobrança abusiva por metas, que tem, além de adoecido os empregados, prejudicado ainda mais o atendimento à população nesta pandemia.

As agências já estão sobrecarregadas pela falta de trabalhadores, e as filas aumentam, pois quase todo contingente das unidades foca em atingir metas inalcançáveis.

> Agência tem abertura atrasada contra assédio e cobrança de metas

“O movimento sindical conquistou, desde o início da pandemia, avanços importantes na proteção dos trabalhadores contra o coronavírus, mas a direção da Caixa dá de ombros, ignorando o número de mortes entre os empregados e a população brasileira e permitindo a cobrança, cada vez mais, de metas abusivas em plena crise sanitária, econômica e social. Se compararmos aos óbitos no país, o número de vítimas fatais da covid entre os empregados tem sido proporcionalmente muito maior este ano, na comparação com o ano passado e com o crescimento das mortes no país”, enfatiza Dionísio Reis, diretor do Sindicato e empregado da Caixa. 

O dirigente lembra que em outubro do ano passado, o Sindicato e a Apcef/SP, após muita cobrança, conseguiram com que a direção da Caixa atendesse algumas reivindicações das entidades importantes para a saúde e a segurança dos empregados. O banco informou, na ocasião, que, em caso de confirmação ou com atestado de suspeita de contaminação por coronavírus, a higienização das agências seria realizada por equipe especializada, e não mais pela equipe de limpeza da própria unidade.

A direção do banco ainda assumiu o compromisso de que enquanto a higienização não fosse concluída, a agência permaneceria fechada. Além disso, garantiu também que os empregados, que seriam todos que se manifestarem testados para precisar a situação da unidade quanto à contaminação, de forma alguma serão transferidos para outras agências durante o protocolo de covid-19.

“Apesar dos avanços negociados, a Caixa não tirou medidas para o protocolo dos terceirizados, mantendo todos em risco e tem seguido premissas de contato que não levam em consideração que trabalhamos em cubículos fechados com ar-condicionado. Hoje a média móvel de mortes está na casa dos milhares como em junho e julho do ano passado, e no inverno pode se agravar bem mais. É urgente que o banco adote protocolos mais rígidos, que informe corretamente os trabalhadores e que reduza as metas para que mais empregados possam se ater à tarefa do atendimento, que é essencial com a devida proteção”, acrescenta Dionísio.

O dirigente reforça que o Sindicato está monitorando todos os locais de trabalho, e é importante que os empregados denunciem à entidade práticas que vão contra os protocolos da covid e contra o bom senso.

Como denunciar

Nesse momento de pandemia, em que o Sindicato conquistou home office para metade da categoria e outras medidas de segurança, é indispensável que os trabalhadores estejam informados dessas medidas e denunciem ao Sindicato qualquer descumprimento. Saiba como:

Adicione o WhatsApp do Sindicato para receber notícias de seu interesse: 11 99930-8483. E quando quiser fazer alguma denúncia ou tirar alguma dúvida, também pode fazê-lo por meio do WhatsApp, mas neste outro número: 11 97593-7749.

> O bancário também pode CLICAR AQUI e deixar seu contato que o Sindicato retornará.

> Central de Atendimento - você pode falar conosco via chat ou solicitação via formulário

> Redes Sociais - nossos canais no Facebook e Twitter estão abertos, compartilhando informações do Sindicato e de interesse da sociedade sobre a pandemia

> Quer receber notícias sobre o seu banco ou financeira? Cadastre-se em nossa newsletter e receba em seu e-mail.