Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Viva o SUS

Saúde: mesmo sucateado, SUS está salvando vidas na pandemia

Linha fina
No dia 7 de Abril, Sindicato e demais entidades se unem para defender a Saúde pública, que há mais de um ano vem salvando vidas e, agora, está vacinando milhares de vidas, diante da maior crise sanitária enfrentada pelo Brasil
Imagem Destaque
Arte: Linton Publio

Com a crise sanitária que o Brasil enfrenta por conta do novo coronavírus, o dia 7 de Abril - Dia Mundial de Saúde - ganha ainda mais protagonismo diante do papel importante que a saúde pública vem desempenhando ao longo da pandemia.

Mesmo com o mais duro golpe sofrido em 2016, com a chamada PEC da Morte (Emenda Constitucional 95), que limita os investimentos públicos por 20 anos é o SUS, neste momento, quem tem atendido aos brasileiros que sofrem com a Covid-19.

"Mesmo com a redução do financiamento, o SUS é responsável por fornecer saúde gratuita e universal (internação, cirurgia, prevenção, imunização, vacinação e até transplante) para todos os brasileiros, como determina a Constituição Federal. E neste momento difícil pelo qual atravessa o país, em que há o registro de mais de 330 mil mortos pela Covid-19, temos provas de que a situação do Brasil só não está pior, graças ao bom serviço prestado pelo SUS", destaca Carlos Damarindo, secretário de Saúde do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região e integrante da executiva do Conselho Municipal de Saúde da cidade de São Paulo.

O Brasil é o único país com mais de 200 milhões de habitantes com sistema de saúde público e universal. Mas infelizmente, há 12 anos, o indicador de subfinanciamento faz com que cada brasileiro seja assistido com basicamente R$ 3.

“Mesmo com planos de saúde, chega um momento que quem trata o paciente é o SUS, agora que temos a vacina, quem está salvando vidas é o SUS. Por isso, temos de defender a saúde pública para todos com qualidade e exigir dos governantes investimentos em pesquisa e na ciência. Sempre foi inaceitável qualquer ser humano morrer de Covid-19 desde quando ela apareceu em 2020. Mas é mais inaceitável ainda saber que o governo federal negou a compra de vacinas, e o apoio à produção de vacinas. E por conta disso, morreram e morrerão muitas pessoas. A partir deste momento, todos que venham a morrer de Covid -19, o governo tem culpa. Quando se tem a vacina e não se vacina o povo, ele tem culpa sim", critica o dirigente.

Mesmo sucateado, Butantan produz vacinas

Ter a Ciência e um sistema de saúde forte nunca foram tão fundamentais para o país como agora com a pandemia de coronavírus no Brasil. Alvo dos cortes promovidos pelo governo de São Paulo, o Instituto Butantan, que começou a ser sucateado pelo governo Alckmin em 2014, tem se mostrado cada vez mais eficiente com a produção rápida da vacina CoronaVac contra a Covid-19 e evitado que mais pessoas sofram ou morram por complicações da doença.

Como professores e policiais, bancários também cobram vacina já!
Vacina: Sindicato cobra governo paulista por prioridade para bancários

"Os cortes e investimentos nesta área da saúde ficou escancarada quando o Brasil se mostrou totalmente dependente de outros países para encarar a pandemia de coronavírus. Mas mesmo com todos os problemas, quem está nos salvando da política negacionista do governo federal é o Instituto Butantan, que mesmo produzindo grandes quantidades de vacinas, ela ainda é pouca para imunizar toda a população. Temos de fortalecer também a imagem do Butantan, não só neste momento, mas relembrar dos feitos do passado e que também fundamentais para erradicar surtos e doenças que marcaram a história da saúde pública do Brasil", lembra Damarindo.

Carta em defesa da vida

Na semana do Dia Mundial da Saúde, entidades como o Sindicato dos Bancários de São Paulo, CUT, demais centrais sindicais e movimentos de saúde assinaram carta em defesa da vida e fazem críticas aos governantes da esferas municipal, estadual e federal.

No documento são destacados que enquanto há uma política que segue o negacionista por parte do governo federal com cortes no orçamento, sem vacinas e sem nenhuma perspectiva de combate ao novo coronavírus ao longo de 2021, os brasileiros estão morrendo nas filas diariamente por falta de vagas, faltam medicamentos nos hospitais e subsídios para que os profissionais de saúde que já estão esgotados, possam atuar na linha de frente na preservação da vida e no combate ao novo coronavírus.

As entidades cobram ainda que haja um lockdown nacional, como o que ocorreu em Araraquara (SP), sob responsabilidade do prefeito Edinho (PT) que fez com os casos diminuissem após a medida restritiva, e reforçam ainda que é papel do governo federal oferecer auxílio emergencial digno até o final da pandemia e que dê condições para que as pessoas fiquem em casa até que haja vacina disponível para todos.

A carta critica ainda o prefeito Bruno Covas e o governador João Doria pela política desastrosa e eleitoreira em benefício próprio que aplicam no estado de São Paulo.

Leia carta na íntegra clicando aqui.

Debate nas redes

Por conta da pandemia de coronavírus, durante os dias 6 e 10 de abril, haverá a Semana Mundial da Saúde em defesa da vida. A live será sempre às 18h no facebook da CUT-SP.

A cada dia, lideranças e especialistas discutirão temas da área de saúde que impactam a vida da população, especialmente neste período em que o Brasil enfrenta o momento mais crítico da pandemia de coronavírus.

Todas as transmissões serão sempre às 18h e poderão ser assistidas nas páginas do Facebook e YouTube da CUT-SP, com retransmissão nas página do Sindicato no Facebook.

Confira aqui a programação.

 
Arquivos anexos
Anexo Size
7_de_abril_carta_a_populacao_final.pdf (4.93 MB) 4.93 MB