Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Campanha 2018

Bancários do Santander iniciam encontro nacional

​Mesa de abertura destaca importância da atuação política da categoria como estratégia para a defesa dos direitos da classe trabalhadora

  • Contraf-CUT, com edição de Spbancarios
  • Publicado em 07/06/2018 15:47 / Atualizado em 07/06/2018 16:59

Foto: Mariana Valadares/Contraf-CUT

Os funcionários do Santander iniciaram nesta quinta-feira 7, em São Paulo, na sede do Sindicato dos Bancários de São Paulo, o encontro nacional para debater questões específicas do banco e levantar propostas para a pauta de reivindicações a ser apresentada ao Santander.

Sindicalize-se e fortaleça a luta da categoria
Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Santander

“Todos os anos a Contraf-CUT realiza um encontro nacional dos trabalhadores do Santander para discutirmos nossas pautas específicas. Neste ano, além de debatermos sobre os pontos do Acordo Coletivo de Trabalho, também vamos capacitar os dirigentes para o embate nas nossas bases sindicais sobre o que pode acontecer após o término de vigência da nossa CCT” explicou Maria Rosani, coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander.

A dirigente referia-se ao fim da ultratividade dos acordos coletivos, um dentre os vários pontos nocivos da lei trabalhista de Temer. O princípio da ultratividade garantia a validade de um acordo até a assinatura do próximo. Sem ele, a CCT valerá somente até 31 de junho e os direitos dos bancários, conquistados em décadas de muita negociação com banqueiros e greves, estão ameaçados

> Conferência Nacional dos Bancários é neste final de semana

Adelmo Andrade, representante da Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe (Feeb/BA-SE), destacou o momento difícil pelo qual passa a classe trabalhadora. “Estamos vendo uma série de ataques aos direitos trabalhistas. Estes ataques fazem parte de um golpe que está sendo dado em etapas e uma delas é a destruição do movimento sindical. Temos que defender nossos direitos, mas também as organizações de representação dos trabalhadores”, disse.

Luiz Claudio Marcolino, diretor da Contraf-CUT e ex-deputado estadual, ressaltou a necessidade de a categoria se organizar ainda mais neste ano para enfrentar os ataques que estão em curso contra os trabalhadores e a democracia no país.

 

 

“Temos que conseguir mostrar para a categoria que existem projetos de sociedade diferentes em disputa. Mostrar que nossa vida piorou depois do golpe que derrubou a presidenta Dilma. Não apenas devido à mudança de governo, mas também porque está sendo implantado um sistema que tem como base as privatizações, a retirada de direitos trabalhistas, o achatamento dos salários e o aumento do desemprego para que as empresas tenham mais lucro”, disse o dirigente da Contraf-CUT. “Todos os direitos presentes em nossa CCT e no Acordo Coletivo do Santander foram conquistados com muita luta. Agora teremos novamente que lutar para mantê-los”, completou.

Confira a programação completa do encontro

 



Voltar para o topo