Contra Retrocessos

O fim da Previdência pública e solidária

Em artigo, a presidenta Ivone Silva enfatiza que o texto da reforma aprovado em primeiro turno na Câmara prejudica os mais pobres e acrescenta que é preciso união e mobilização para barrar mais este retrocesso

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 30/07/2019 11:09 / Atualizado em 30/07/2019 17:01

Foto: Seeb-SP

O texto da reforma da Previdência, aprovado em primeiro turno na Câmara (veja como votaram os deputados por São Paulo), prejudica os mais pobres e é descolado da realidade brasileira. Esta é a opinião da presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva. Em artigo, a dirigente sindical bancária cita as principais mudanças contidas no relatório aprovado, que pretende acabar com a Previdência pública e solidária, e o quanto essas medidas irão prejudicar os trabalhadores e trabalhadoras.

> Assista ao 3 Minutos, com Ivone Silva, sobre reforma da Previdência
> Leia tudo o que publicamos sobre a reforma da Previdência
> Mande mensagens aos parlamentares contra a reforma pelo Na Pressão

Confira o artigo na íntegra:

A aprovação da reforma da previdência é um retrocesso para o país. Trata-se de uma transformação na forma como a sociedade brasileira decide se organizar a partir da Constituição Cidadã de 1988. E pretende-se acabar com uma organização social em que todos, e com o amparo do Estado, se responsabilizam por garantias mínimas de vida, principalmente em momentos mais delicados, como na velhice.

O que se pretende é o fim da previdência pública, quase a sua destruição, na medida em que estão propostos pré-requisitos tão rígidos e descolados da realidade brasileira que, se aprovada em segundo turno na Câmara e no Senado, a proposta, a aposentadoria no Brasil passa a ser uma ilusão para a grande maioria da população, principalmente os mais pobres.

O texto da Previdência aprovado pelo plenário da Câmara em primeiro turno prejudica os trabalhadores mais pobres – que terão que contribuir por 40 anos no caso dos homens e 35 para mulheres para alcançarem o valor integral dos benefícios.

Entre as mudanças, a regra do cálculo da aposentaria passa a ser sobre a média de todas as contribuições feitas pelo trabalhador. Atualmente, o benefício é calculado sobre as 80% maiores contribuições, e as 20% menores são descartadas, o que melhora a média. Pelo novo cálculo, homens e mulheres que contribuírem durante 15 anos vão receber apenas 60% da média de todas as suas contribuições e, não mais 85% como é hoje sobre as melhores contribuições.

No caso da pensão por morte que hoje é de 100% da aposentadoria, passará a ser uma cota de 50% +10% por dependente. Ou seja, uma viúva que não tenha filhos, por exemplo, irá receber apenas 60% da aposentadoria do marido falecido.

Em um país em que 52% das pessoas, no mercado de trabalho formal, recebem até dois salários mínimos, quantas pessoas terão condições de poupar recursos para investir em planos de previdência privada? Quantas estarão sem nenhuma proteção na velhice?

Os trabalhadores precisam se unir e mobilizar. A proposta ainda deverá passar por um segundo turno na Câmara, e, se aprovada, será apreciada no Senado. Se os senadores aprovarem o texto da Câmara sem mudanças, ele será promulgado pelo Congresso e se tornará uma emenda à Constituição.

*Ivone Silva é presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região 

 

 

 



Voltar para o topo