Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Campanha 2020

Redes sociais serão centrais na Campanha Nacional

Por conta do isolamento social causado pelo novo coronavírus, ferramentas como Twitter e Facebook serão essenciais para disseminar a luta dos bancários e pressionar os bancos a renovarem a Convenção Coletiva de Trabalho da categoria

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 18/07/2020 16:25 / Atualizado em 19/07/2020 15:03

A presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira (esquerda), a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Ivone Silva, e o secretário de Imprensa da Contraf-CUT, Gerson Carlos Pereira

Em um cenário de isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus, as redes sociais terão um papel central na Campanha Nacional 2020 para pressionar os bancos a negociarem a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho.

O debate ocorreu na 22ª Conferência Nacional dos Bancários, na tarde deste sábado 18, de forma virtual, na mesa Importância da Comunicação, Estratégia e Organização nas Redes Sociais. 

A presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, enfatizou que os bancos são empresas extremamente sensíveis com a própria imagem. Ela  lembrou de alguns casos que viralizaram nas redes sociais e que fizeram o Itaú se explicar: a demissão de um bancário gay, em 2017, após ele ter postado uma foto beijando o noivo; e uma esteticista negra que, no começo deste ano, acabou levada à delegacia pela Polícia Civil e acusada de fraude após tentar sacar R$ 1,5 mil.

O Banco do Brasil também foi exposto pelo perfil do Twitter Sleeping Giants Brasil por divulgar publicidade em um site que divulga fake news. 

Mais recentemente, uma campanha virtual promovida pelo movimento sindical bancário contra as demissões no Santander em meio à pandemia do coronavírus emplacou a hashtag #SantanderRespeiteOBrasil nos trending topics do Twitter e acabou repercutindo em veículos da grande imprensa, como a Exame.

“A pandemia nos obriga a inovar, nos obriga a buscar formas de mobilização além das que a gente já conhece, e levar o nosso debate para a sociedade. (...). Temos uma ferramenta que devemos usar de forma organizada nesta campanha. Para isso a gente vai ter de estar integrado nas redes sociais. Temos em torno de 3 mil dirigentes sindicais. Se somar os delgados sindicais de todo o Brasil, vamos ter muito mais que isso. Se cada um tiver uns 100 militantes, teremos 300 mil pessoas falando sobre aquele assunto no momento. É um número bastante significativo para chamar a atenção e denunciar o sistema financeiro”, afirmou Juvandia. 

A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, reforçou o poder de mobilização e de viralização das redes sociais. 

 

 

“Existem vários casos em que o consumidor reclama no Twitter e a resposta é muito rápida, porque pode viralizar, e esta semana teve um assunto bobo, a imagem de uma pizza da Subway que viralizou e obrigou a rede a se explicar. Mas também tem coisas importantes, como os casos de violência policial que têm viralizado nos Estados Unidos e no Brasil. E lembrando que os entregadores de aplicativo se organizaram virtualmente, por redes sociais. É uma nova forma de organização dos trabalhadores.”

Na mesma mesa o secretário de Imprensa da Contraf-CUT, Gerson Carlos Pereira, apresentou a mídia da Campanha Nacional 2020: Na vida e na luta com você - Garantir e Proteger

“O nosso mote é bem fácil e leve. Vamos trabalhar na luta em todos os sentidos. Na luta com você, na vida com você, na saúde com você, na PLR com você. É o sindicato com você. A ideia é fazer uma campanha virtual muito forte e a gente vai estar trabalhando todas essas situações”, explicou Gerson. 



Voltar para o topo