Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Campanha 2020

Bancários reivindicam manutenção dos empregos

Na mesa de negociação desta quinta-feira 6, Sindicato apresentou números que mostram corte de postos de trabalho pelo setor mais lucrativo do país. Emprego é prioridade da Campanha dos Bancários 2020 e bancos tem de ter responsabilidade social

  • Redação Spbancarios, com informações da Contraf-CUT
  • Publicado em 06/08/2020 21:44 / Atualizado em 13/08/2020 20:35

Arte: Linton Publio/Seeb-SP

Emprego bancário foi o tema da segunda rodada de negociação da Campanha Nacional dos Bancários 2020, nesta quinta-feira 6, por videoconferência. Na mesa com a Fenaban (federação dos bancos), os trabalhadores apresentaram dados sobre a redução de postos de trabalho nos bancos. De janeiro de 2013 a dezembro de 2019 os bancos fecharam 70 mil postos de trabalho, o que equivale a uma redução de cerca de 14% da categoria. Sendo que 51 mil postos foram cortados só entre 2016 e 2019. Os trabalhadores reivindicam a manutenção dos empregos e a suspensão das demissões.

“Apresentamos dados que comprovam que os bancos não têm por que demitir, uma vez que continuam lucrando alto. E cobramos deles que tenham responsabilidade social e não demitam durante essa crise sanitária sem precedentes”, relata a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Ivone Silva, uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários, que representa a categoria nas mesas de negociação com a Fenaban.

> Primeira rodada: Sindicato negocia regulamentação do home office

O cinco maiores bancos – Itaú, Bradesco, Santander, BB e Caixa – lucraram juntos R$ 108 bilhões em 2019, um crescimento de 30,3% em relação a 2018. O bom desempenho se mantém mesmo com o agravamento da crise pela pandemia de coronavírus: somente no primeiro trimestre deste ano, eles já lucraram R$ 18 bilhões.

"Embora sejam o setor mais rentável da economia, os bancos dão um péssimo exemplo para o país ao cortarem postos de trabalho”, reforça Ivone. Ela lembra que o movimento sindical conquistou, no início da pandemia, a interrupção das demissões nos bancos. Com isso houve uma redução de 58% dos desligamentos em abril e maio, em relação ao primeiro trimestre do ano, mas mesmo assim os banco demitiram, principalmente o Santander que, no segundo trimestre deste ano, em plena pandemia, registrou o corte de 844 postos de trabalho.

Ivone Silva: Prioridade dos bancários é preservar empregos e direitos

A dirigente destaca ainda que, diante da crise agravada pela pandemia, os bancos provavelmente usarão uma dupla estratégia para reduzir custos fixos (despesas de pessoal e despesas administrativas) e manter seus lucros nas alturas: intensificação da digitalização e do home office. Com um investimento ainda maior em tecnologia, o desafio para a categoria é preservar os empregos.

“O uso da tecnologia deveria resultar em ganhos para todos os envolvidos no processo: empresas, clientes e trabalhadores. Mas não é o ocorre no setor bancário, onde os clientes continuam pagando uma das mais altas taxas de juros do mundo, e os empregos estão sendo extintos, com aumento da sobrecarga para os trabalhadores, mesmo nas agências digitais. Por isso uma das nossas maiores reivindicações da Campanha deste ano é a manutenção dos empregos e melhores condições de trabalho. E os bancos podem tranquilamente atender nossas demandas, uma vez que são lucrativos e rentáveis”, reforça.

Agências fechadas

Foi apresentado também aos representantes da Fenaban a questão do fechamento de agências bancárias. De dezembro 2019 até junho deste ano, foram fechadas no país 558 agências bancárias. Nos últimos 12 meses, a média mensal de agência fechadas chegou a 100. O Comando destacou que isso também é irresponsabilidade social, pois a população precisa de atendimento bancário. Além disso, o fechamento de agência leva à redução de empregos entre seguranças e pessoal da limpeza.

 

 

Segundo o IBGE, o contingente de desempregados no país hoje chega a 12,8 milhões. Mas é muito maior, se for considerado os 19 milhões que deixaram de procurar emprego, muitos impactados pela própria pandemia que restringe a procura.

Digitalização

Os representantes da Fenaban argumentaram que a redução do número de agências tem de levar em conta uma mudança na cultura dos clientes, que diante da pandemia passaram a usar mais o atendimento digital. Para a presidenta do Sindicato, a pandemia revelou outra realidade. “As agências são necessárias, sim. Isso a pandemia demonstrou. Há uma grande exclusão de pessoas, que estão fora do sistema bancário, que não têm conta bancária. Uma parte da população não tem acesso à internet, não tem celular e nem computador em casa. O que percebemos é que as pessoas vão nas agências”, disse Ivone.

Os representantes da Fenaban pediram um tempo para discutir as propostas apresentadas nesta quinta-feira. Disseram que vão reunir representantes dos bancos na semana que vem para avaliar as propostas dos bancários sobre defesa do emprego.

Comando e Fenaban voltam a se reunir na terça-feira 10, quando debatem as reivindicações de Saúde e Condições de Trabalho. Veja o calendário da Campanha Nacional dos Bancários 2020.

Conecte-se ao Sindicato

Mande aqui um WhatsApp para o Sindicato, salve o nosso número nos seus contatos (11 99930-8483) e fique por dentro de tudo o que acontece na Campanha Nacional dos Bancários 2020. Ou cadastre-se para receber notícias da campanha em seu e-mail.

Acesse a página de notícias Ao Vivo e siga o Sindicato dos Bancários no FacebookTwitterInstagramLinkedin e Youtube para se manter informado sobre a Campanha Nacional dos Bancários 2020.


 



Voltar para o topo