Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Banco do Brasil

Caixas não são obrigados a vender produtos

Direção do banco reforçou que prática é facultativa; Comissão dos Funcionários cobra treinamento específico e bancários devem denunciar caso sofram pressão para exercer essa função 

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 26/09/2017 14:38 / Atualizado em 27/09/2017 12:16

Coleta de assinaturas promovida pelo Sindicato cobrando mais contratações no Banco do Brasil

Foto: Caetano Ribas

São Paulo – Em reunião para explicar as mudanças nas Plataformas de Suporte Operacional (PSO), representantes do Banco do Brasil reforçaram a integrantes da Comissão de Empresa dos Funcionários (CEBB) que os caixas não são obrigados a vender produtos. Essa atribuição é facultativa.

Muitos caixas se queixam de que, além do acúmulo de função, estão sendo cobradas vendas, inclusive via celular pessoal –  o que é proibido pela Convenção Coletiva de Trabalho –, e sem nenhum treinamento prévio para conhecimento dos produtos. 

O governo Temer está promovendo uma série de ataques ao Banco do Brasil, forçando seu encolhimento. A instituição já eliminou 10 mil postos de trabalho e fechou 400 agências. Isso aumenta a sobrecarga de trabalho, inclusive dos caixas. A defesa da valorização dos bancos públicos é bandeira histórica do Sindicato, apresentada para a sociedade em inúmeras manifestações e também por meio da cartilha Em Defesa dos Bancos Públicos.

Os representantes dos trabalhadores reivindicam do banco a disponibilização de treinamento para venda e só se for uma opção do trabalhador. 

“Apuramos a existência desse acúmulo de função que implica riscos ao banco, porque os caixas lidam com numerário, e ainda são obrigados a vender produtos, o que pode acarretar em diferenças na contabilização”, afirma o dirigente sindical e bancário do Banco do Brasil Willame de Lavor.  

 

 

Os bancários que forem pressionados a vender produtos devem denunciar ao Sindicato pelo 3188-5200, entrando em contato pelo SAC via WhatsApp (11) 97593-7749 ou acessando Assuma o Controle. O sigilo é absoluto.



Voltar para o topo