Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Só no papel

Itaú exclui negros de programa de trainee

Linha fina
Imagem dos selecionados viralizou por mostrar que processo do Itaú não leva em conta diversidade racial
Imagem Destaque
Foto: Reprodução

Em pleno Mês da Consciência Negra, novembro, o Itaú esqueceu de tirar o discurso sobre diversidade do papel e aplicá-lo na prática. Isso porque o banco realizou uma seleção para seu programa de trainee e excluiu majoritariamente candidatos negros e pardos.

Em uma foto que viralizou nas redes sociais, os 125 aprovados no processo seletivo não demonstram que a diversidade racial foi um requisito para a escolha dos finalistas.

“Nos bastidores, o banco faz palestras valorizando a diversidade, e no discurso tudo é lindo, mas o que se vê na prática é, silenciosamente, o Itaú selecionando quem eles querem que representem a imagem do banco, excluindo pretos e pardos”, criticou o coordenador do coletivo de combate ao racismo do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Júlio Cesar.

Para ele, os trainees são lapidados como “novas lideranças” do banco e eles serão invariavelmente lideranças sem representatividade racial.
“Recentemente, o IBGE trouxe dados sobre os negros ocuparem 50,2% das vagas nos cursos de ensino superior. Se temos negros e negras capacitadas, com formação superior, onde o banco identifica problemas para contratá-los?”, questiona.

Júlio lembra que uma das bandeiras mais importantes do Sindicato é a igualdade de oportunidades para todos, independentemente de raça, gênero, orientação sexual ou religião. "Por isso que, na Campanha 2018, reivindicamos e conquistamos a realização da terceira versão do Censo da Diversidade Bancária, cujo objetivo é traçar um perfil da categoria e assim embasar reivindicações do movimento sindical para a promoção da diversidade no setor bancário. Além disso, temos a mesa permanente de negociação com os bancos sobre igualdade de oportunidades, nas quais cobramos das instituições financeiras que de fato promovam respeito, justiça e maior inclusão nos locais de trabalho."

Resposta do banco

Em resposta à revista Raça, o representante do Itaú reconheceu que a seleção de trainees não refletia a diversidade do país: "Reconhecemos que o resultado do processo de seleção de trainees deste ano, mesmo com as mudanças que fizemos para torná-lo mais inclusivo, não reflete a diversidade que todos nós gostaríamos de ver. A experiência deste ano servirá de aprendizado para fazermos correções para os próximos processos."