Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Luta por direitos

Número de acordos coletivos caiu após reforma trabalhista

Linha fina
Estudo da Fipe mostra queda de até 44% e que trabalhadores rejeitam propostas com redução de direitos que os patrões querem incorporar às negociações
Imagem Destaque
Foto: Dino Santos/CUT

O número de acordos e convenções trabalhistas entre empresários e trabalhadores caiu entre 2017 e 2018. Entre fevereiro de 2017 e igual mês deste ano, os acordos coletivos entre um único sindicato e uma empresa caíram 24%. Já o número de convenções coletivas que envolvem sindicatos de trabalhadores e patronais teve redução de 44%.

Os dados são da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), baseados em informações do Ministério do Trabalho. Para economistas, os trabalhadores rejeitam propostas que trazem redução de direitos impostos pela reforma trabalhista do governo Temer.

"Os empregadores apresentam as pautas propondo a introdução de mecanismos novos para flexibilizar ou alterar a forma de contrato, mas os sindicatos não querem aceitar esse tipo de mudança que prejudica os trabalhadores. Isso tem dificultado mais as negociações coletivas e passam a ter processos de negociação mais longos", afirma o diretor técnico do Dieese, Clemente Ganz Lúcio, ao repórter Leandro Chaves, da TVT.

A presidenta do Sindicato, Ivone Silva, critica a reforma trabalhista que alterou a legislação, cortando direitos, enfraquecendo a estrutura sindical, precarizando as relações de trabalho e acabando com conquistas históricas da classe trabalhadora. "Lutamos contra esse desmonte e não vamos aceitar retrocessos. Os bancários estão mobilizados e vamos lutar para manter nossa Convenção Coletiva de Trabalho e impedir novas formas de contratação precárias e acordos individuais com prejuízo para os trabalhadores", afirma a dirigente.

Inflação baixa, falsa sensação de ganho

A contrapartida ficou por conta da inflação, para quem está empregado a situação é mais favorável e quase 90% das negociações no primeiro trimestre tiveram ganhos acima do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) que foi de 1,9%. Os quase 800 reajustes fechados no período tiveram ganho real de 0,9%.

Para o Dieese. os números passam uma falsa sensação de ganho. “Uma inflação menor para quem tem salário significa que o salário teve uma menor perda. O que é importante também observar é que essa inflação extremamente baixa para o padrão brasileiro é decorrente de uma grave crise, que gera mais de 13 milhões de desempregados e outro contingente de pessoas subocupadas. Empregadores repõem a inflação, até dão algum tipo de ganho real, mas continuam pressionando para que a convenção aceite uma redução de direitos", diz Clemente.

Assista à reportagem do Seu Jornal, da TVT: