Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Campanha dos Bancários 2022

Em mesa sobre segurança, Fenaban mostra descaso com proteção de bancários e clientes

Imagem Destaque
Mesa de negociação sobre segurança, da Campanha dos Bancários 2022

Na mesa de negociação desta quinta-feira 28, a quinta rodada de negociação da Campanha dos Bancários, a Fenaban (federação dos bancos) revelou descaso com a proteção de empregados e clientes. A Fenaban apresentou uma proposta que, em linhas gerais, reduz os equipamentos de segurança em agências e postos de atendimento: sugeriu retirar portas de segurança e diminuir o número de vigilantes; em agências de negócios, a federação propôs inclusive não ter vigilante nenhum, mesmo que essas unidades tenham caixas eletrônicos, nos quais os clientes podem sacar dinheiro.

“A reunião de hoje frustra os trabalhadores. Vimos que discutir segurança para os bancos significa tirar portas giratórias com detector de metal e diminuir o número de vigilantes, para reduzir o custo de operação das unidades bancárias. A proteção dos bancários e dos clientes não entra na conta deles. Sabemos que a vida não tem preço, mas para a Fenaban, a proteção à vida é um custo.”

Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários, que representa a categoria nas mesas de negociação com a Fenaban.

Dados sobre assaltos

Na mesa, a Fenaban apresentou dados sobre a redução do número de assaltos a bancos como mais um argumento para a redução de custos com segurança.

Mas o Comando apresentou levantamento que leva em consideração assaltos, saidinhas, explosões de caixas eletrônicos, inclusive os não consumados. Segundo essa pesquisa feita pela Contraf e confederações dos vigilantes, com base em notícias na imprensa, dados de secretarias de segurança pública e de sindicatos, foram 839 ataques em 2020, dos quais 321 explosões ou arrombamentos de caixas eletrônicos; 439 assaltos ou tentativas; 34 ataques a carro-forte; e 45 saidinhas bancárias. Além de 40 assaltos a correspondentes e 86 a agências dos Correios ou lotéricas. Dentre as ocorrências, foram identificadas 6 vítimas fatais.

Os trabalhadores, por sua vez, argumentaram que, por mais que o número de assaltos tenha caído, isso não justifica a retirada dos equipamentos, até porque tem aumentado o número de agressões de clientes a bancários, em função da piora no atendimento devido à redução do número de trabalhadores nas agências.

“A questão da segurança bancária não é só impedir assaltos e sequestros, não é só uma questão patrimonial. A ocorrência de agressões contra bancários tem aumentado, principalmente em regiões de São Paulo como a zona sul, por exemplo. E levando em conta que o número de armas de fogo na sociedade aumentou, porque hoje qualquer cidadão pode ter uma arma, não podemos deixar de alertar para os riscos que correm os trabalhadores. E nesses casos, as portas com detector de metal são fundamentais para impedir a entrada de pessoas armadas nas agências.”

Neiva Ribeiro, secretária-geral do Sindicato, que também participa nas mesas de negociação.

Fenaban nega criação de GT de segurança

Uma das reivindicações apresentadas pelo Comando, a de criação de um Grupo de Trabalho (GT) para discutir segurança, formado por representantes dos bancários e dos bancos, foi negada pela Fenaban.

“Esse GT seria permanente, com o objetivo de discutir medidas para aumentar a proteção de trabalhadores e clientes e de propor soluções. Mas a Fenaban defendeu que, se fosse criado, ele só funcionaria durante a Campanha, ou seja, negou a nossa reivindicação”, informou Ivone Silva.

Outras reivindicações

O Comando dos Bancários apresentou na mesa as demais reivindicações sobre segurança da pauta dos bancários, entre elas:

  • a proibição da guarda das chaves de agências e acionadores de alarmes pelos bancários;
  • a proibição ao transporte de numerário pelos bancários;
  • a que prevê diversos equipamentos de segurança, como a obrigatoriedade das portas giratórias, biombos entre os caixas para garantir a privacidade das operações feitas por clientes;
  • maior número de vigilantes e obrigatoriedade de vigilantes em todas as unidades bancárias, sejam elas agências, agências de negócios, postos de atendimento, correios ou lotéricas;
  • a que prevê assistência às vítimas de assaltos, sequestros e extorsões;
  • acesso dos trabalhadores às estatísticas de ataques aos bancos;
  • estabilidade ao empregado vítima de assalto, sequestro ou extorsão.

A Fenaban negou ou não deu respostas concretas a nenhuma das reivindicações.

Próxima mesa discute Saúde

A próxima mesa de negociação da Campanha dos Bancários é segunda-feira 1º, sobre o tema “Saúde e Condições de Trabalho”.

Calendário de negociações:

  • Segunda-feira, 1º de agosto: Saúde e Condições de Trabalho
  • Quarta-feira, 3 de agosto: Cláusulas Econômicas
  • Quinta-feira, 11 de agosto: Continuação das Cláusulas Econômicas

Veja como foram as rodadas anteriores:

Saiba tudo sobre a Campanha dos Bancários 2022

Estamos na fase 4 da Campanha, assista ao vídeo:

Campanha Nacional 2022

O Sindicato dos Bancários preparou uma página especial para mostrar como é feita uma Campanha Nacional dos Bancários. Acesse nosso especial sobre a campanha salarial 2022 e entenda como sua participação é fundamental.

Durante toda a campanha, nós também vamos publicar em nossa página em tempo real todas as informações sobre reuniões, negociações e andamento da campanha. 

Se você quiser falar conosco, entre em contato com a Central de Atendimento. Aqui você tem todas as informações e ainda pode falar com o Sindicato por meio de chat, whatsapp, e-mail ou telefone.

Se preferir, pode acompanhar o Sindicato pelas redes sociais - nossos canais no FacebookTwitter e Instragram estão abertos, compartilhando informações do Sindicato e de interesse da categoria.

Quer receber notícias sobre o seu banco? Cadastre-se em nossa newsletter e receba em seu e-mail.

seja socio