16 dias de ativismo

A violência nunca é culpa da vítima

Ação faz parte da campanha pelo Fim da Violência Contra a Mulher, que teve início nesse 25 de novembro, Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher

  • Publicado em 29/11/2018 17:00 / Atualizado em 29/11/2018 17:10

A bancária e secretária de Formação do Sindicato dos Bancários, Érica de Oliveira, destaca o terceiro dos 16 compromissos de ação pelo fim da violência de gênero. A campanha conjunta com a Uni Global Union, sindicato global, que acontece em diversos países, esta dentro da campanha de 16 dias de ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher, que se estende até o dia 10 de dezembro.

Curta, Comente e se inscreva!

Assista e compartilhe essa e outras produções no Canal do YouTube do Sindicato. Inscreva-se e clique no sininho para receber notificações quando um novo vídeo for publicado.

Origem

Os 16 dias de ativismo começaram em 1991, quando mulheres de diferentes países, reunidas pelo Centro de Liderança Global de Mulheres (CWGL), iniciaram uma campanha com o objetivo de promover o debate e denunciar as várias formas de violência contra as mulheres no mundo, segundo a ONU Mulheres Brasil.

No Brasil, a Campanha ocorre desde 2003 e é chamada 16+5 Dias de Ativismo, pois incorporou o Dia da Consciência Negra. A mobilização termina em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos. Cerca de 150 países participam da campanha.

A data é uma homenagem às irmãs Pátria, Minerva e Maria Teresa, conhecidas como “Las Mariposas” e assassinadas em 1960 por fazerem oposição ao governo do ditador Rafael Trujillo, que presidiu a República Dominicana de 1930 a 1961, quando foi deposto.

Leia reportagens do Novembro da Resistência

Políticas afirmativas ajudam a formar geração de intelectuais negros
Filmes para refletir sobre a questão racial
Seis episódios recentes que mostram o quanto o Brasil é racista
Meu cabelo e a cor da minha pele te incomodam, por quê?
Ivone Silva: 'Você entra numa agência e não vê um negro'.
Quais são os desafios para a promoção da igualdade racial?
Cine Birita encerra o Novembro da Resistência
Filmes para debater a violência contra a mulher
Lute como uma mulher!
Por que o Brasil não pediu perdão pela escravidão?
Por que não temos o mês da consciência branca?



Voltar para o topo