Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Consciência Negra

Ivone Silva: 'Você entra numa agência e não vê um negro'

Presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região chama atenção para o alto desemprego da população negra e os sinais de discriminação racial nos locais de trabalho

  • Rede Brasil Atual, com edição da Redação Spbancarios
  • Publicado em 19/11/2018 10:55 / Atualizado em 26/11/2018 16:53

Foto: Anju / Arquivo / Seeb-SP

Em vídeo publicado na TV247, a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, chama atenção para a influência do racismo no mercado de trabalho. O depoimento da dirigente sindical é parte da programação Novembro da Resistência, com atividades do Sindicato pelo Dia da Consciência Negra (20) e pelo Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher (25). "Um mês de luta, de debates para realmente pensarmos como a questão do racismo pode ser percebida no mercado de trabalho e na vida."

> Sindicalize-se e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

Logo no início do vídeo, Ivone questiona o internauta sobre como pode ser percebida a discriminação racial nos locais de trabalho e, exibindo dados do IBGE, mostra que a população negra é a mais penalizada pela crise econômica e seus impactos sobre os empregos.

"A população negra é que enfrenta os maiores índices de desemprego em todas as regiões do país. E entre a população negra ainda temos o recorte de gênero, que são as mulheres (negras e empregadas), que ganham menos ainda que os homens negros (empregados). Dos 13 milhões de desempregados no Brasil, 64% pertencem à população negra", diz Ivone.

Ela dá um exemplo prático de se perceber sinais de racismo nos locais de trabalho citando o setor bancário: "Muitas vezes você vai numa agência bancária e você não acha um negro dentro da agência. Ou, se achar, ele não vai estar nos cargos dos melhores salários."

Ela afirma que mesmo na Bahia, em que 70% da população é de afrodescendentes, é raro encontrar trabalhadores negros nas agências dos bancos privados. E lembra que é maior a presença de negros e negras em bancos públicos, como Banco do Brasil, Caixa e Banco do Nordeste, porque estes promovem concursos para a admissão de trabalhadores, o que reduz a seleção baseada na cor da pele.

"Essa é nossa grande discussão com todos os patrões: como é que nós vamos fazer para inserir essa população negra no mercado de trabalho e, dentro do mercado de trabalho, que se faça a disputa nos cargos de melhores salários também. Por isso a nossa luta, na categoria bancária, na metalúrgica, dos professores, ou seja, em todas as categorias que defendem os seus trabalhadores, é também contra a discriminação de raça,"

Ivone finaliza lembrando a importância de os trabalhadores fortalecerem seus sindicatos e que estes, por sua vez, devem promover a presença de dirigentes negros em seus quadros. "A nossa luta também é que o movimento sindical tenha mais negros."

O vídeo é encerrado com a líder bancária fazendo um chamamento pelo combate ao preconceito e ao racismo em todos os níveis. "Olhe à sua volta e combata a discriminação racial, seja na sua casa, no seu trabalho, na condução, onde você estiver. Nós aqui, no movimento sindical e nós, trabalhadores, estamos lutando para que realmente tenhamos um mundo sem discriminação racial."

Novembro da Resistência

 

 

Como parte da programação do Novembro da Resistência, o Sindicato estará presenta na XV Marcha da Consciência Negra, com concentração às 12h da terça-feira 20, no vão do Masp (Avenida Paulista, 1578). Já na quarta-feira 21, o Café dos Bancários (Rua São Bento, 413, Centro) contará com uma programação especial em homenagem ao Dia da Consciência Negra (20), com início às 18h. Bancários sindicalizados possuem 10% de desconto na hora de pagar a comanda. 

> Clique aqui e confira toda a programação do Novembro da Resistência

Assista a íntegra:

Leia reportagens do Novembro da Resistência

Políticas afirmativas ajudam a formar geração de intelectuais negros
Filmes para refletir sobre a questão racial
Seis episódios recentes que mostram o quanto o Brasil é racista
> Meu cabelo e a cor da minha pele te incomodam, por quê?
> Quais são os desafios para a promoção da igualdade racial?
> Cine Birita encerra o Novembro da Resistência
Filmes para debater a violência contra a mulher
> Sindicato inicia 16 Dias de Ativismo pelo Fim da violência contra a mulher
Curta-metragem: O Brasil é um país racista?
Lute como uma mulher!
> Por que o Brasil não pediu perdão pela escravidão?
Por que não temos o mês da consciência branca?

 



Voltar para o topo