Central de Atendimento

ou whatsapp (11) 97593-7749
Cinema

Filmes para refletir sobre a questão racial

Obras levantam a discussão sobre racismo e outras formas de opressão na sociedade e são fonte para se conhecer melhor a história

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 12/11/2018 16:59 / Atualizado em 26/11/2018 16:50

Foto: Divulgação

O Dia da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro em homenagem a Zumbi dos Palmares (símbolo da resistência negra à escravidão), será lembrado pelo Sindicato dos Bancários em programação especial intitulada Novembro da Resistência.

O Novembro da Resistência, que inclui palestras, MBs especiais e série de reportagens, também faz alusão a outra data importante no mês: o Dia Internacional de Combate à Violência contra a Mulher (25). O objetivo do evento é promover o debate, fornecendo elementos para a reflexão sobre o racismo e o machismo ainda fortemente presentes na nossa sociedade e, dessa forma, contribuir para revermos conceitos e práticas.

> Debate sobre Igualdade Racial é destaque no MB desta quarta, 14

Para auxiliar nesta reflexão, listamos alguns filmes que retratam o racismo, abordando temas como discriminação, exclusão, escravidão e outras formas de violência contra negras e negros. Confira!

Madame Satã

O longa brasileiro se passa na Lapa (bairro central do Rio de Janeiro) dos anos 30 e conta o cotidiano e a intimidade de João Francisco dos Santos - malandro, artista, presidiário, pai adotivo, negro, pobre, homossexual - e seu círculo de amigos, antes de se transformar no mito Madame Satã, lendário personagem da boemia carioca.

Estrelas além do tempo

O filme estadunidense não apenas nos faz refletir sobre o racismo, mas também sobre o machismo que sofrem principalmente as mulheres negras. Conta a história de Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson, brilhantes mulheres afro-americanas que trabalharam na NASA e foram os cérebros por trás de uma das maiores operações da História: o lançamento em órbita do astronauta John Glenn, uma conquista fantástica que restaurou a confiança do país, mudou a Corrida Espacial e galvanizou o mundo. O trio visionário de mulheres atravessou todas as barreiras de gênero e raça para inspirar gerações para sonhar grande.

Branco sai, preto fica

O filme do brasileiro Adirley Queirós aborda um acontecimento real na periferia de Brasília, em 1986, com artifício narrativo da ficção científica. A  PM invade um baile black a tiros e fere dois homens que ficam marcados para o resto de suas vidas (um teve a perna amputada e outro ficou paraplégico), mas ninguém foi responsabilizado. Quase 30 anos depois, um detetive volta ao passado para investigar o ocorrido e provar que a culpa é da sociedade repressiva.

Histórias cruzadas

O pano de fundo desta produção norte-americana é o drama das empregadas negras nos Estados Unidos durante a conturbada luta pelos direitos civis, em meados do século passado. Skeeter é uma garota da alta sociedade que retorna à pequena cidade de Jackson, no Mississipi, determinada a se tornar escritora. Ela começa a entrevistar as mulheres negras, que deixaram suas vidas para trabalhar na criação dos filhos da elite branca, da qual a própria Skeeter faz parte. Aibileen Clark, a emprega da melhor amiga de Skeeter, é a primeira a conceder uma entrevista, o que desagrada a sociedade como um todo. Apesar das críticas, Skeeter e Aibileen continuam trabalhando juntas e, aos poucos, conseguem novas adesões.

12 Anos de Escravidão

No século XIX, Solomon Northup é um escravo liberto, que vive em paz ao lado da esposa e filhos. Um dia, após aceitar um trabalho que o leva a outra cidade, ele é sequestrado e acorrentado. Vendido como se fosse um escravo, Solomon precisa superar humilhações físicas e emocionais para sobreviver. Ao longo de doze anos ele passa por dois senhores, Ford e Edwin Epps, que o exploram, cada um à sua maneira.

Moonlight

Ganhador do Oscar de melhor filme em 2017, o longa narra três momentos da vida de Chiron, um jovem negro morador de uma comunidade pobre de Miami nos anos 1980. Do bullying na infância, passando pela crise de identidade da adolescência e a tentação do universo do crime e das drogas, este filme é um poético estudo de personagem. Trata-se também do primeiro longa da filmografia americana com um elenco todo de negros a abordar a temática LGBT.

 

 

Pantera Negra

Filme de super-heróis protagonizados por negros, este longa foi sucesso de bilheteria em todo o mundo. Após a morte do rei T'Chaka, o príncipe T'Challa retorna a Wakanda para a cerimônia de coroação. Nela são reunidas as cinco tribos que compõem o reino, sendo que uma delas, os Jabari, não apoia o atual governo. T'Challa logo recebe o apoio de Okoye, a chefe da guarda de Wakanda, da irmã Shuri, que coordena a área tecnológica do reino, e também de Nakia, a grande paixão do atual Pantera Negra, que não quer se tornar rainha. Juntos, eles estão à procura de Ulysses Klaue, que roubou de Wakanda um punhado de vibranium, alguns anos atrás.

Os Intocáveis

Produção francesa de 2012, o filme conta uma tocante e improvável história de amizade. Philippe é um aristocrata rico que, após sofrer um grave acidente, fica tetraplégico. Precisando de um assistente, ele decide contratar Driss, um jovem negro problemático, que não tem a menor experiência em cuidar de pessoas no seu estado. Aos poucos ele aprende a função, apesar das diversas gafes que comete. Philippe, por sua vez, se afeiçoa cada vez mais a Driss por ele não tratá-lo como um pobre coitado. Aos poucos a amizade entre eles se estabelece, com cada um conhecendo melhor o mundo do outro.

Selma - Uma luta pela igualdade

O filme narra a luta histórica do dr. Martin Luther King Jr. para garantir o direito ao voto para os afro-americanos – uma campanha perigosa e apavorante que culminou na épica marcha de Selma a Montgomery, no Alabama, em 1965, que galvanizou a opinião pública americana e persuadiu o presidente Johnson a apresentar a Lei do Direito ao Voto, daquele mesmo ano.

Ao mestre, com carinho

Um professor enfrenta alunos indisciplinados, neste clássico de 1967 que refletiu alguns dos problemas e medos dos adolescentes pobres da década de 1960 e formas de superação dessa realidade. O mestre, interpretado pelo famoso ator negro Sidney Poitier, começa a ensinar alunos majoritariamente brancos em uma escola no bairro operário de East End. Ele se depara com adolescentes desordeiros e problemáticos, que estão determinados a destruir suas aulas.

Leia reportagens do Novembro da Resistência

Políticas afirmativas ajudam a formar geração de intelectuais negros
Seis episódios recentes que mostram o quanto o Brasil é racista
> Meu cabelo e a cor da minha pele te incomodam, por quê?
> Ivone Silva: 'Você entra numa agência e não vê um negro'.
> Quais são os desafios para a promoção da igualdade racial?
> Cine Birita encerra o Novembro da Resistência
Filmes para debater a violência contra a mulher
> Sindicato inicia 16 Dias de Ativismo pelo Fim da violência contra a mulher
Curta-metragem: O Brasil é um país racista?
Lute como uma mulher!
> Por que o Brasil não pediu perdão pela escravidão?
Por que não temos o mês da consciência branca?

 



Voltar para o topo