Quem mandou matar?

Polícia do Rio prende dois suspeitos dos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes

Ministério Público e Polícia Civil fazem operação que aponta sargento reformado da PM como autor dos disparos. Expectativa é que prisões esclareçam as motivações e quem encomendou a execução

  • Rede Brasil Atual, com edição Redação Spbancarios
  • Publicado em 12/03/2019 12:09 / Atualizado em 12/03/2019 12:12

Foto: Renan Olaz/ Câmara Municipal do Rio

Uma operação conjunta do Ministério Público e da Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu na madrugada desta terça-feira 12 dois suspeitos de serem os assassinos de Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, e Anderson Gomes, que dirigia o carro em que ambos foram emboscados, no dia 14 de março do ano passado. Os presos são Ronie Lessa, policial militar reformado, e o ex-PM Elcio Vieira de Queiroz, expulso da corporação. A matéria é da Rede Brasil Atual.

Lessa foi preso em sua casa, no condomínio Vivendas da Barra, na Barra da Tijuca, zona oeste, o mesmo em que o presidente Jair Bolsonaro tem casa.  Segundo o jornal O Globo, trata-se de "uma coincidência".

De acordo com a denúncia do MP do Rio, Lessa teria sido o autor dos disparos contra as vítimas, e Elcio era quem dirigia o carro usado na emboscada. Segundo a denúncia das promotoras Simone Sibilio e Leticia Emile, o crime foi "meticulosamente" planejado três meses antes do atentado. 

Também a O Globo, Mônica Benício, viúva de Marielle Franco, parabenizou os envolvidos nas prisões dos suspeitos, mas ressaltou que a questão mais importante ainda não foi esclarecida: quem foi o mandante da morte de Marielle?.  "Falta a resposta mais urgente e necessária de todas: quem mandou matar Marielle. Espero não ter que aguardar mais um ano para saber quem foi o mandante disso tudo. Essa resposta e a condenação final de todos os envolvidos o Estado deve a todas e todos que sofrem com a perda de Marielle e da própria  democracia", afirmou Mônica.

A operação desta manhã foi a primeira com a participação do Ministério Público do Rio, por meio do Gaeco, que é o grupo de combate ao crime organizado. Essa unidade investiga crimes principalmente relacionados às milícias no Rio.

Além das prisões, a operação realiza mandados de busca e apreensão nos endereços dos denunciados para apreender documentos, telefones celulares, notebooks, computadores, armas, acessórios, munições e outros objetos.

De acordo com o jornal carioca, Lessa entrou na lista de suspeitos após ser vítima de uma emboscada, em 28 de abril, 30 dias depois do assassinato da vereadora. A tentativa de assassinato teria sido uma "queima de arquivo".

Ainda segundo o jornal, as promotoras pedem a suspensão da remuneração e do porte de arma de fogo de Lessa. Também foi requerida a indenização por danos morais aos familiares das vítimas e a fixação de pensão em favor do filho menor do motorista Anderson até completar 24 anos de idade.

Em certo trecho da denúncia, elas ressaltam: “É inconteste que Marielle Francisco da Silva foi sumariamente executada em razão da atuação política na defesa das causas que defendia. A barbárie praticada na noite de 14 de março de 2018 foi um golpe ao Estado Democrático de Direito".



Voltar para o topo