Pular para o conteúdo principal

Bancários reforçam apoio à paralisação do Vila Santander

Linha fina
Mensagens em grupos de Whatsapp apontam indignação com as demissões e revelam adesão ao protesto da última sexta-feira
Imagem Destaque
Foto: Seeb-SP

Apesar de toda pressão da direção do Santander e do aparato policial intimidatório requisitado pelo banco, os trabalhadores aderiram à paralisação do call center deflagrada na sexta-feira 25 contra demissões injustificadas, sobrecarga de trabalho, instabilidade no emprego, falta de treinamento e assédio moral.

Sindicalize-se e fortaleça a luta da categoria
Assine o boletim eletrônico com notícias específicas do Santander

Apenas no mês de maio foram cerca de 100 demissões no centro admisnitratrivo que engloba os serviços de call center. Um dia antes, agências e superintendências também foram palcos de protestos contra abusos da direção do banco. 

Inúmeras mensagens de bancários circularam em grupos de Whatsapp reforçando a intenção de aderir à paralisação. 


“A unidade brasileira do Santander é a mais lucrativa do mundo. Por essa razão, é inaceitável a forma como os trabalhadores brasileiros são tratados e o alto número de demiessões, principalmente em um período tão grave da economia que resulta em 13 milhões de desempregados”, afirma Lucimara Malaquias, diretora do Sindicato e bancária do Santander.

Mas se falta emprego para as pessoas, sobra dinheiro para acionistas e diretores executivos dos bancos. O Santander, por exemplo, lucrou como nunca antes na sua história. Foram R$ 9,9 bilhões em 2017.

O resultado mais expressivo da história da filial brasileira resultou nas maiores remunerações já pagas aos 44 diretores executivos do banco. Foram distribuídos, em média, R$ 7,2 milhões a esses executivos.

“Respeito ao emprego é o mínimo que se espera de uma instituição tão lucrativa, que distribuí tanto dinheiro para os diretores executivos, e onde a sobrecarga de trabalho é cada vez maior para os milhares de trabalhadores”, afirma Anderson Pirota, dirigente sindical e bancário do Santander.

“Cabe a direção do Santander acabar com os protesto aceitando negociar com o Sindicato o fim das demissões. Reivindicamos responsabilidade social e respeito aos trabalhadores e clientes do país que responde por mais de um quarto do seu resultado mundial”, enfatiza Anderson.