Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Na Pressão

Site ajuda na luta contra as reformas e a favor das diretas

Linha fina
Plataforma criada pela CUT permitirá a diversas organizações pressionarem parlamentares e até ministros do Supremo com apenas alguns cliques
Imagem Destaque
Arte: Reprodução

São Paulo - Para pressionar os parlamentares a votar contra as reformas trabalhista e da Previdência, e a favor das diretas já, a CUT lançou na manhã desta quinta 22 o "Na Pressão" (napressao.org.br). A ferramenta facilita o envio de e-mails para parlamentares, juízes, ministros ou qualquer outra autoridade ou representante do povo. Também permite contatá-los pelas redes sociais ou por telefone.

O Na Pressão está organizado em campanhas com um tema determinado e organizam um conjunto de representantes a serem pressionados para que decidam a favor de trabalhadores e trabalhadoras e da maioria da sociedade. A luta contra as reformas de Temer e a favor das eleições direitas inauguram a ferramenta.

Ao entrar numa campanha, é possível enviar com apenas um clique e-mails para todos os representantes, escolher apenas um por meio do acesso aos cadastros e até separar um conjunto deles por meio dos filtros. No cadastro de cada autoridade estão, além do email, telefone oficial, canal de Facebook e, quando possível, o número celular para acesso pro redes do tipo Whatsapp ou Telegram.

O site também disponibiliza uma sugestão de texto para encaminhar e permite refinar a busca por diversos critérios que vão desde gênero até região.

Foto: Roberto Parizotti / CUT


Avalanche - Apenas na primeira hora de lançamento foram mais de sete mil e-mails enviados, o que comprova, conforme aponta o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, a necessidade de ter uma plataforma para chegar às bases parlamentares de maneira rápida e objetiva.

“As nossas ações no local de votação e de trabalho se faz muito mais eficaz do que a ida a Brasília onde sequer temos acesso aos deputados e senadores, enclausurados em seus gabinetes. Todas as vezes que conversamos com eles, dizem que o que os deixam com medo é justamente a pressão nas bases, então, a ideia é justamente furar o bloqueio e mostrar a indignação dessas bases”, falou.