Sem crise

Bradesco lucra R$ 12,7 bilhões no 1º semestre

Resultado representa crescimento de 23,7% em relação ao mesmo período de 2018; e indica que existe espaço para incluir todos os funcionários no PDE

  • Redação Spbancarios
  • Publicado em 25/07/2019 17:00 / Atualizado em 26/07/2019 11:45

Foto: Seeb-SP

O lucro líquido recorrente do Bradesco no 1º semestre atingiu R$ 12,7 bilhões, um crescimento de 23,7% em relação ao mesmo período de 2018. Já a rentabilidade ficou em 20,6%, elevação de 2,1 pontos percentuais.

Sindicalize-se e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

“Parabenizo todos os meus colegas pelo excelente resultado. O lucro do Bradesco reflete o empenho e a dedicação de cada um de seus funcionários.  Assim como na parcial do 1º trimestre, o resultado semestral do Bradesco mostra que existe espaço para incluir todos os funcionários no Programa de Desempenho Extraordinário (PDE). Afinal, todos contribuem para o resultado e somente com o que arrecada com serviços e tarifas, receita que cresceu 5,5% e alcançou 13,049 bilhões no 1º semestre, o Bradesco cobre em 127% suas despesas com pessoal”, enfatiza a secretária-geral do Sindicato e bancária do Bradesco, Neiva Ribeiro.

Hoje, só são elegíveis ao PDE gerentes de agências, gerentes administrativos e gerentes da área comercial.

O número de funcionários do Bradesco chegou a 99.198 em junho de 2019, o que representa um crescimento de 1.515 postos de trabalho nos últimos 12 meses. “Neste momento do país, em que enfrentamos uma grave crise econômica, com quase 14 milhões de desempregados, vemos como muito positiva a criação de novos postos de trabalho pelo Bradesco”, comenta Neiva.

Em 12 meses, o Bradesco fechou 119 agências.

Outros números

A carteira de crédito do Bradesco cresceu 8,7% em relação a junho de 2018. Os empréstimos para pessoa física tiveram elevação de 14,8%, com destaque para consignado, imobiliário, veículos e crédito pessoal. Já o crédito destinado às empresas teve alta de 5,4% em relação a junho do ano passado. A taxa de inadimplência caiu de 3,9% para 3,23%.



Voltar para o topo