Pular para o conteúdo principal
Chapéu
Campanha Nacional 2020

Por que o Sindicato indica a aprovação da proposta

Linha fina
Termos garantem reajuste salarial e abono em 2020, aumento real em 2021, além da manutenção de todos os direitos da Convenção Coletiva e dos acordos específicos dos bancos públicos em meio a uma conjuntura extremamente desfavorável imposta por um governo contrário aos direitos dos trabalhadores
Imagem Destaque
Montagem: Linton Publio

 

Após várias rodadas de negociações e propostas rebaixadas, que resultariam em redução de até 48% no valor da PLR; reajuste zero com perda de 2,65% nos salários; ou o fim da 13º cesta alimentação, os bancários conseguiram reverter a enxurrada de retirada de direitos e cortes de rendimentos.

De reajuste zero, os trabalhadores de bancos arrancam para 2020 aumento de 1,5% para salários, com abono de R$ 2 mil. E ainda a reposição da inflação (estimada em 2,74% no período) para demais verbas, como vales alimentação e refeição e auxílio-creche/babá. Caso a proposta seja aprovada em assembleia a ser realizada virtualmente a partir deste domingo 30, o abono será pago até o final de setembro.

Para 2021, o acordo, caso aprovado, garante para todos a reposição do INPC acumulado no período (1º de setembro de 2020 a 31 de agosto de 2021) e aumento real de 0,5% para salários e demais verbas como vale-alimentção e vale-refeição, assim como para os valores fixos e tetos da PLR.

A proposta prevê ainda a manutenção de todas as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho e dos acordos específicos de bancos públicos por dois anos, o que dará segurança para a categoria em meio a um cenário de retirada de direitos dos trabalhadores.

> Banco do Brasil: Proposta avança: reajuste de 1,5% com abono de R$ 2 mil
> Caixa: Mobilização garante PLR Social, Saúde Caixa e direitos do ACT

Governo Bolsonaro, Correios e Petrobras

Além da situação adversa imposta pela pandemia do coronavírus, o país vive sob um governo contrário aos direitos dos trabalhadores e favorável à privatização das empresas públicas.

Em dois exemplos recentes das dificuldades geradas pela situação atual, a greve nos Correios, que já dura 13 dias, não resultou em acordo entre funcionários e empresa, e será decidida no Tribunal Superior do Trabalho (TST).

O vice-presidente do TST apresentou uma proposta de renovação das 79 cláusulas vigentes no acordo coletivo, sem reajustes nas cláusulas econômicas. A proposta chegou a ser aceita pelos empregados, mas os Correios só aceitaram a manutenção de nove das cláusulas. Agora o resultado da greve será decidido pelo TST.

Na campanha salarial dos petroleiros, a Petrobras propôs um acordo que prevê congelamento dos salários este ano e reposição da inflação em setembro de 2021.

Cerca de 80% dos acordos trabalhistas fechados em agosto ficaram abaixo do INPC.  

“A mobilização da categoria bancária nas redes sociais foi fundamental para reverter a retirada de direitos que os bancos insistiam em impor e resultou em uma proposta com reajuste salarial e abono em 2020, aumento real em 2021 e a manutenção de todos os direitos clausulados na Convenção Coletiva de Trabalho e nos acordos específicos dos bancos públicos. Por isso o Sindicato orienta a aceitação da proposta”, afirma Ivone Silva, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo e uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários, que representa a categoria na mesa com a Fenaban (federação dos bancos).

A assembleia virtual irá ocorrer a partir das 20h de domingo até as 23h59 de segunda-feira, por meio deste link.

Conecte-se ao Sindicato

Mande aqui um WhatsApp para o Sindicato, salve o nosso número nos seus contatos e fique por dentro de tudo o que acontece na Campanha Nacional dos Bancários 2020. Ou cadastre-se para receber notícias da campanha em seu e-mail.

Acesse a página de notícias Ao Vivo e siga o Sindicato dos Bancários no FacebookTwitterInstagramLinkedin e Youtube para se manter informado sobre a Campanha Nacional dos Bancários 2020.

Nós também fizemos uma lista com perguntas e respostas sobre a campanha.